Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

     Digno das melhores referências em matéria de independência, Cavaco Silva propõe aos portugueses estudar profundamente o Orçamento Geral do Estado para o ano de 2013. Os anunciados "profundos estudos jurídicos" de que se vai munir, revelam-nos que as suas convicções ficarão enterradas (para quem ainda acreditar que Aníbal tem convicções sociais acima dos seus interesses corporativos).

     A moralidade de Cavaco Silva nunca foi muita e, no final deste processo, será mesmo nula. Resta-nos esperar que o Tribunal Constitucional se substitua à condicionada presunção de inocência de Cavaco relativamente a este Governo. Se, ainda assim, a superior magistratura da Nação decidir abdicar dos seus deveres de cumprimento da lei constitucional, o que devemos esperar do providencialismo institucional da nossa Democracia? Muito pouco. Talvez nada. E pergunto-me então: qual será o papel das Forças Armadas perante o regular funcionamento desta política orçamental?



publicado por Rui Moreira às 20:53 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012