Domingo, 6 de Janeiro de 2013

Verdadeiramente este não é um conto, é sim um post de blogue, para este Natal. Se ao título pudesse acrescentar mais algumas palavras, não fugindo dessa tradição talvez iniciada por Dickens, que obrigou tantos e tantos escritores a acrescentarem algum aspecto porventura esquecido aos respectivos leitores, através de uma ou outra inspiração: ora o espírito de Natal daquele Dickens; ora o Natal inglês e o progresso da Humanidade de Eça de Queiroz; ora o transmontano Natal de A.M. Pires Cabral. O conto é o escolhido para apelar à sensibilidade humana, provocar a atenção às desgraças, desventuras e infelicidades alheias, e alertar os alheados do mundo e da realidade. Pois bem, e como dizia, se ao título pudesse acrescentar mais algumas palavras, o subtítulo deste post seria: o Natal do Pai Natal, e as cartas propositadamente deixadas em cima da secretária.

 

Habitualmente deixado para um segundo ou terceiro plano, essa tão evidente falha ao espírito de Natal, o Pai Natal, começa agora os seus momentos de descanso, com o início do que é o seu próprio Natal. Na verdade, esse Natal não é tão próprio assim, já que coincide com o de alguns milhões de pessoas que o comemoram em noite de reis, e não no feriado de 25 de Dezembro, mais tarde antecipado para a véspera. É estranho mas é assim. Uma boa parte do mundo impôs a um ano de espera, o momento de uma hora. Ao Pai Natal, com personalidade de fácil adaptação à mudança, moldada em séculos de existência por experiências acumuladas que auxiliam em qualquer ocasião, até deu algum jeito, não o sobrecarregando com o trabalho de tudo fazer numa só noite, ou mesmo algumas horas.

 

Está agora descansado, ganhando balanço para o que há a fazer e dentro de meia-hora e no restante sempre trabalhoso ano. Estendido sobre o confortável e bem acolchoado sofá, em frente a uma bela e radiosa lareira, em noite que para lá das paredes se sabe fria. Aquece-o a lareira, alguns movimentos da nona sinfonia de Beethoven, que lhe enrugam e esticam as têmporas, o cálice de Porto, e a alegria de acompanhar, certamente com menos sucesso, a voz do baixo do CD oferecido a si próprioem algum Natal:

 

«O Freunde, nicht diese Töne!

Sondern laßt uns angenehmere

anstimmen und freudenvollere.»

 

«Ó, amigos, mudemos de tom!

Entoemos algo mais prazeroso

E mais alegre!» (tradução)

                                        

Mas, acaba a sinfonia e começa o trabalho. E que trabalho. Responder às quartas deixadas para depois do Natal e dos Reis. Empilhadas estão as cartas de Pedro, Paulo, Miguel e Aníbal, entre outras. Não houve bom comportamento que os salvasse, nem momento de redenção na viragem do ano, eles que gostam tanto da retórica da moral religiosa e de lembrar da culpa da vivência acima das possibilidades. Lendo as cartas, o Pai Natal não consegue deixar de esboçar um leve sorriso de ironia. Todos trabalharam muito, foram incansáveis, tudo fizeram, e no fundo estão convencidos que tudo está melhor. A ironia está no que dizem, e por no outro lado, a constatação da triste e tenebrosa realidade, a mesma que inspirou os contos de Natal de alguns autores. A alegria de Beethoven está agora posta de lado e nem tudo é prazeroso.

 

É tempo de responder às cartas, por desagradável que esse momento seja, e é. Inerências da função. O tom é cordial, assim deve ser com todos os que lhe escrevem. A resposta a estes é curta. Para bom entendedor meia palavra basta. O presente que terão estes quatro é conviver uns com os outros, e o bónus de um ano que lhes poderá sair infernal. Até o Pai Natal cá estará para dar uma ajudinha.



publicado por Gabriel Carvalho às 18:33 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012