Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013

 

Estavam ainda os ânimos em 2012 e as mentes no exórdio do novo ano quando surgiu na imprensa, de forma tímida, a novidade de uma regra de ouro forçosamente aprovada em Conselho de Ministros e aplicada na Lei de Enquadramento Orçamental. Para os mais atentos a medida segue apenas a lógica das vigas de barro da construção europeia; para os mais incautos, a notícia perdeu-se entre os fait-divers e o tittytainment mediático. O nosso país está de agora em diante obrigado a cumprir um défice estrutural de 0,5% e impelido a não superar o tecto de 60% da dívida pública, caso contrário pagará uma multa sancionatória de valor igual a 0,1% do PIB. Foi dado o tiro de partida para a austeridade eterna. A Europa sairá incólume?

 

No fundo, é de conhecimento geral que a União Europeia se encontra numa espiral suicida. A sua patologia depressiva tem sido remediada com sobredoses paridas de um receituário com intenções dúbias. A própria lógica de soluções económicas e financeiras parece por vezes indecifrável face à miserável condição em que se encontram os países alvo de intervenção externa. Nesta conjuntura que ameaça estruturalmente um projecto político de décadas não há lugar para ingenuidade. O desvendar de uma política traz sempre os verdadeiros beneficiados. Para encetar tal tarefa, uma análise dos desenvolvimentos recentes da construção europeia é-nos útil.

 

O BCE já anunciou a compra ilimitada de dívida pública. Um alívio no financiamento apenas destinado aos bons cumpridores do programa de assistência da Troika, aos alunos bem comportados de maçã ofertada ao professor. Até esse momento tinha apenas participado na injecção de dinheiro em bancos com dificuldades e facilitado o crédito a juros irrisórios, que muitos beneficiários aproveitaram para comprar dívida pública dos países onde se encontram sediados e a taxas elevadas. Já para não falar no fundo de doze mil milhões de euros destinados exclusivamente à banca privada. O destino dos países intervencionados está assim nas mãos sujas da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do FMI. Qualquer solução europeia passa directa ou indirectamente pelo ideologicamente esquizofrénico labirinto dos cortes no Estado-social, privatizações a saldos, despedimentos e reduções salariais  complementados com um aumento cego de impostos.

 

Não é destituído de sentido o facto do  fundo europeu que constitui parte do empréstimo a países como Portugal, agora renomeado de Mecanismo de Estabilização Europeu, apenas financiar quem tiver ratificado o Tratado Orçamental Europeu. Garante o cumprimento de medidas que acarretam a transversalidade de economias depauperadas que competem externamente através de baixos salários e atraem investimento estrangeiro pela via das privatizações baratas de sectores estratégicos e naturalmente monopolísticos do Estado. Os bancos, esses têm garantida a sua recapitalização pelo MEE sem intermediação directa dos Estados após acordo sobre a Supervisão Bancária.

 

Deste modo, o anúncio da emissão de dívida portuguesa a cinco anos é apenas um manobra de diversão. O Portugal pós-troika que, segundo Passos Coelho, deve começar a ser alvo de reflexão com medidas de estímulo económico é uma mera fantasia. Uma fórmula política de manutenção no cargo. O futuro português é o seu presente. Cabe-nos romper com o passado recente e lutar contra a conjuntura troikista e a estrutura orçamental europeia.



publicado por Frederico Aleixo às 22:39 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012