Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

Primeiro descobriu-se que afinal Artur Batista (com p) da Silva na era consultor da ONU, mais propriamente do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), depois de duas mãos cheias de entrevistas, debates e conferências até bem interessantes, tendo austeridade como tema. Artur Baptista da Silva defendia que a austeridade não permite o crescimento económico e encaminha a população de uma dada comunidade para a pobreza.

 

Agora, soube-se através do jornal El Mundo que do lado de lá da fronteira, o espanhol Carlos Mulas Granados, participante no célebre Relatório do FMI, encomendado – literalmente -, pelo Governo de Vítor/Pedro/Paulo/Miguel (não sei bem qual é a ordem), talvez inspirado na obra de Fernando Pessoa, criou um pseudónimo – ou heterónimo, tornando Amy Martin uma extensão de si. Através dele, defendia em artigos, políticas orçamentais expansionistas como instrumentos de combate as crises financeiras, opostas à austeridade, que vem sendo aprofundada daquele e deste lado da fronteira.

 

Descoberto por uma mentira que obrigou o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Paulo (só Paulo poderia descobrir uma história assim) a apurar se era mesmo verdade que o Brasil estaria disponível para comprar dívida portuguesa, dias a fio, Artur Baptista da Silva, proporcionou notícias cheias de incredulidades. Como conseguiu enganar tanta gente e tão experimentada!?

 

Não é que a defesa em artigos, conferências e debates por Artur Baptista da Silva, e diga-se, também Carlos Mulas Granados, de menos austeridade e propostas para o crescimento económicos fazia mesmo sentido!?



publicado por Gabriel Carvalho às 21:51 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012