Sexta-feira, 1 de Fevereiro de 2013

     O inefável Fernando Ulrich, funcionário oficial dos Governos nacionais e transnacionais para a política financeira, desceu do seu palacete intelectual para se comparar aos pobres deste rico país. A primeira pergunta que me ocorre é dirigida a Dante que, certamente, recorrerá a Virgílio para tão embaraçosa questão: há círculo na Divina Comédia para escaldar Ulrich, o Apparatchik?

     Todos se lembram do ultimato colectivo em que participou Ulrich? Sim, aquele conjunto de entrevistas que assolaram a opinião pública durante uma semana. Aqueles homens, maiores concorrentes entre si na actividade bancária, pediram em uníssono a intervenção da Troika em Portugal. Ulrich optou por se destacar ao longo dos meses. Começando por abrir as portas do BPI à exploração de trabalhadores, rapidamente ameaçou o Estado de nova vaga nos centros de emprego. Defensor de desvalorizações salariais e de perigosos ajustamentos, Ulrich é a ventoinha de difusão de toda a porcaria que Passos, Portas, Gaspar e a Troika reproduzem. Esta superstrutura que nos governa, sociedade oficial segundo Marx, inverteu as prioridades do Estado Providência e posicionou-se em nome de interesses privados e corporativos. Adoptou um discurso reaccionário, tomou os órgãos decisórios de assalto e lançou um feudo confiscatório sob o país.

     Os interesses de Ulrich, o Apparatchik, confundem-se com os da Troika e a banca agradece. Intermediário nas teses sociais do Governo, por falsa modéstia admite o acaso do infortúnio nestes tempos difíceis e quer ser confundido com um sem-abrigo. Sabe que o purgatório, a existir, é posterior à sua conduta profana e está disponível para se desculpar mais tarde por tamanha servidão ao capitalismo. Apela às massas e à sua mansuetude em nome da naturalidade e inevitabilidade da concentração de dinheiros públicos no seu negócio: doce mercado, livre do Estado e da lei, dependente dos nossos bolsos. Ulrich, o Apparatchik, criou o Oitavo Pecado Capital negligenciado por Dante: ser domesticado. Tragam as brasas.

 



publicado por Rui Moreira às 11:47 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012