Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2013


A história do PREC e dos seus intervenientes ainda será reescrita. Persistem muitas contradições; elevam-se heróis que nunca o foram e são condenadas personalidades sem grande sensatez. Os olhares e os pensamentos não estão alheios à nossa ideologia.

Um exemplo desse mar envolto de paixões e ódios é Manuel Serra. Figura da luta anti-fascista da juventude operária católica, a memória colectiva não esquece o seu envolvimento nos golpes da Sé e de Beja contra o Salazarismo que lhe valeram, em surdina, ofensas físicas e psicológicas nos calabouços da PIDE.

Feita a revolução dos cravos, cria o Movimento Socialista Popular. Um grupo autónomo no seio do PS, cuja doutrina socialista democrática previa a prossecução da Constituição da República e do seu carácter programático sem cedências. Acaba por perder o II Congresso do Partido Socialista para Mário Soares e retira-se para iniciar em Janeiro de 1975 a Frente Socialista Popular. Os seus 44% de votos permitiam-lhe sonhar com uma dissidência massiva dos militantes socialistas que se reviam no seu carácter revolucionário. Tal não aconteceu, tendo se juntado a vários grupos de esquerda para formar a Frente de Unidade Revolucionária em apoio ao V Governo Provisório e, posteriormente, à operação do 25 de Novembro de 1975.

O seu passado de oposição ao partido no qual militou juntamente com a sua concórdia à esquerda denominada de radical ainda hoje ecoa nas mentes daqueles que o repugnam.

Eu prefiro desdizer esse maniqueísmo e interpretá-lo ao sabor da sua vida. Um homem incontornável da esquerda portuguesa que viveu como pensou; nunca pensou em como viver. E que falta fazem nestes tempos aqueles e aquelas que vivem apaixonadamente a coerência.


P.S: O falecimento de Manuel Serra deu-se no dia 31 de Janeiro de 2010. A minha memória pregou-me uma partida e não me recordei em tempo útil de escrever este texto. Ainda assim, lutadores como Manuel Serra não necessitam de pretexto para serem relembrados com todo o louvor.





publicado por Frederico Aleixo às 23:27 | link do post | comentar

1 comentário:
De bom é menos um a 5 de Fevereiro de 2013 às 01:47
se todos os anti-salazaristas e salazaristas continuassem vivos nunca mais saimos do EStado novum...


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012