Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2013

“Escrever 500 caracteres a partir de um currículo de 8000 mil, num espaço de tempo reduzidíssimo”… Assim se cavam buracos. Assim este governo justifica a omissão à passagem de Franquelim Alves pelo universo do BPN, no currículo do novo Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação, e cava mais um buraco negro, sem explicação possível, nas ligações entre governos e interesses privados, que se verificaram ruinosos para o país e os contribuintes.

 

De facto passar pelo BPN, pode não constituir ilícito, apesar das dúvidas que surgem à sua actuação perante o conhecimento de ilícitos. Afinal não assinou cartas, que surgem como alegadas provas, e o idóneo Miguel assegura a idoneidade do senhor. Acresce ainda uma interrogação: o que tem de especial o currículo de Franquelim para ocupar as áreas a que está adstrito, e o distinga de outros que não estivessem ligados ao BPN, um dos maiores escândalos da democracia portuguesa, a aguardar nos tribunais uma conclusão.

 

O governo que promete o fim da impunidade com a sua chegada, apenas adensa a nebulosa em torno do BPN, nada explicando neste momento oportuno, sobre o andamento do processo, e se este dispõe de meios para conhecimento cabal da verdade, que continuará a levar milhões ao erário público e aos bolsos de todos os portugueses, por causa daqueles que realmente viveram acima das suas possibilidades.

 

É difícil aguardar com serenidade pelo uivo da justiça. Os anos vão passando, e mais alguns se esperam, para um processo de raízes insondáveis, com alicerces nas mais altas conivências, silêncios e omissões.

 



publicado por Gabriel Carvalho às 16:58 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012