Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

Numa História sobre a Justiça em Portugal ainda estaria por apurar se houve algum momento da longa vida do nosso país em que, regra geral, dentro dos quadros legais e dos costumes morais vigentes em cada época, houve uma verdadeira Justiça que servisse o povo. Uma Justiça enquanto tal, mesmo que adstrita às leis dos homens e resultante dela. Uma Justiça justa e não certa, porque é mais fácil fazer o que é justo do que o que é certo.

 

Certamente que, percorrendo o quadro geral dos séculos, determo-nos-emos com mais rigor no pós 25 de Abril, já que foi com esta data, em 1974, que a cidadania se afirmou contra os poderes oligarcas, fossem eles dos detentores dos poderes públicos ou privados. Chegados aqui as coisas compuseram-se de uma maneira que os nossos avôs dificilmente conseguiriram imaginar. O poder público, unido com o poder cívico, criou escolas públicas, saúde gratuita e universal, serviços públicos mais ou menos burocráticos mas funcionais, um corpo de tribunais descentralizado em que, todos em conjunto, propiciaram a entrada de Portugal na modernidade. no fim do Século passado eramos já um país desenvolvido, em progresso, a crescer civica, cultural, social e economicamente.

 

Os últimos anos, porém, parecem ter parado esta marcha de Portugal. Perdoe-se-me a alegoria automobilistica, mas de marcha atrás, continuamos a fitar o futuro porque temos esperança, mais nada. Estamos mais longe do que quando nascemos, porque nunca estivemos tão descrentes. A condução das políticas no nosso país nos últimos anos tem sido a causa principal deste recuo. Não estamos a falar de medidas, mas de uma visão estrutural que o capital tem aplicado, com sucesso diga-se, em todos os países onde pode. Acontece que o poder político público existe para nos salvaguardar das injustiças cometidas por quem pode mais, e nesse sentido nunca Portugal foi um país tão injusto, porque nunca o poder económico foi tão poderoso. Estando todos nós à mercê do grande capital e das grandes corporações económicas e monetárias internacionais, não havendo entre elas e nós um poder protector que realmente sirva quem manda (i.e. nós o povo), a única coisa que podemos fazer é, efectivamente, soltar a Grandola que há dentro de nós, ir para a rua, exigir, gritar, ordenar. Por que estamos nús em sangue, como dizia Sophia. 



publicado por José António Borges às 22:07 | link do post | comentar

1 comentário:
De:

Data:
7 de Março de 2013 às 00:20


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012