Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2013

A reflexão sobre o tempo presente e o futuro que os acontecimentos desencadeiam, deveriam impor a sensatez, a governados e governantes. A mesma que leva alguns a lembrar o primado do direito à liberdade de expressão, no caso das interrupções às intervenções de Miguel Relvas, a quem é subtraído esse direito. Esse é um princípio inalienável a qualquer cidadão, estando ou não no exercício de funções públicas, e no caso é um membro de um governo eleito democraticamente.

 

Mas, e há sempre um mas, como em muitos casos há um se, esse direito entra em conflito com outros direitos, também e por enquanto inalienáveis, e entre eles o direito à manifestação e se quisermos o direito à resistência. Referido (mas não decretado) o Estado de excepção, para legitimar o confisco e retirar direitos de trabalho e à dignidade humana; não sendo proporcionado o direito de voto para a escolha de um novo governo – seguro apenas pela solidariedade que o exercício do poder proporciona ao grupo restrito solidário; e no âmbito dos órgãos que completam o Estado, haver um Tribunal Constitucional em falência, e falida a Presidência da República, resta legitimamente o direito à manifestação popular.

 

Pensar que a «Gândola, Vila Morena», com todo o seu significado, e as palavras de ordem se dirigem apenas ao “bode expiatório” Miguel Relvas e suas polémicas, é não compreender a dimensão da realidade, e como diz a canção Talkin’ Bout a Revolution, de Tracy Chapman:

 

Enquanto estão parados nas filas da segurança social

Chorando nos degraus das portas daqueles exércitos de salvação.

 

Perdendo o tempo nas filas dos desempregados

Sentados ali à espera de uma promoção.

 

Não sabes?

Que estão a falar de uma revolução?

E soa como um murmúrio.

 

 



publicado por Gabriel Carvalho às 15:41 | link do post | comentar

1 comentário:
De:

Data:
7 de Março de 2013 às 00:20


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012