Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2013

A polémica das manifestações ao canto de «Grândola, Vila Morena», interrompendo as intervenções de governantes é paradigmática do momento que vivemos e da Democracia em que convivemos. O momento é de crise financeira, económica, social, do valor da dignidade humana, da integração europeia e da Democracia, e em todos estes vectores é profunda.

 

No que concerne àquela última, a crise da Democracia, radica talvez na ausência de respostas das instituições democráticas aos problemas das populações, na dificuldade de órgãos de soberania e partidos políticos compreenderem as aspirações da sociedade, e encontrarem soluções adequadas e sensatas.

 

Tenho lido e ouvido algumas opiniões, todas respeitáveis, sobre o que agora chamam tentativa de silenciamento do que chegou a Ministro, e agora aspira a mártir da liberdade de expressão, Miguel Relvas, e devo dizer que algumas me deixam perplexo, por não reflectirem o confronto democrático de direitos, liberdades e garantias do conjunto do Estado. De um Estado também composto por uma população.

 

Leio e ouço a eloquência na afirmação da inaceitabilidade daquilo a que chamam tentativa de silenciamento de Miguel Relvas, pergunto-me se sabem eles o que é silenciamento? Tratou-se do impedimento ao uso da palavra em determinado momento e espaço de tempo, é certo, e também é certo que foi limitada a liberdade de expressão, assim como vêm sendo limitados alguns dos direitos, garantias e liberdades de quem se manifestou naqueles momentos determinados, estivessem eles nos espaços em que ocorreram os incidentes, ou mesmo no sofá de cada casa portuguesa. Conjuguemos portanto as duas faces da mesma moeda.

 

Acrescentaria apenas que gostaria de ter assistido nos momentos certos, e por parte de algumas dessas opiniões, à mesma eloquência e contundência na denúncia do caso Pedro Rosa Mendes, na chantagem sobre uma jornalista do Público, nos excessos da Polícia de Segurança Pública (P.S.P.) da escadaria da Assembleia da República até ao Cais do Sodré, ou mais recentemente na identificação levada a cabo pela P.S.P., dos que se manifestaram cantando, no local onde intervinha Paulo Macedo. Queiramos ou não, todos estes e outros acontecimentos estão ligados a estas manifestações, e não devem ser dissociados na avaliação destas, tal como a governação não pode ser dissociada da população que serve.

 



publicado por Gabriel Carvalho às 23:52 | link do post | comentar

1 comentário:
De:

Data:
7 de Março de 2013 às 00:17


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012