Sábado, 23 de Fevereiro de 2013

     Falar do Zeca é lembrar um percursor da resistência e o génio da música Coimbrã. Falar do Zeca perante um país amordaçado, é, sobretudo, revisitar a mensagem libertária que nos pode dar uma vitória. E eu quero falar-vos do Zeca em nome da nossa resistência colectiva.

     Vivemos em Democracia há 39 anos, mas há 26 que perdemos um dos seus criadores. Talvez importe sabermos o que perdemos para o podermos recuperar. O Zeca, amigo de quem nunca recebi um abraço (exceptuando, por miragem claro, nas longas noites dos belos tascos de Coimbra), não poderia ter sido mais fraterno para comigo: ouvir as suas canções é um abraço suficientemente forte. E pergunto-me: será o Zeca substituível pelas suas canções? Penso que a resposta está dentro de nós. Se cantarmos em vozes isoladas, o Zeca estará longe. Se cantarmos todos juntos, em uníssono, certamente estará próximo. E é aqui, sim, aqui neste ponto, que está a essência do Zeca. Esse sentimento presente no seu esplendor de desvalorização por um estádio moral e ético que nunca quis ocupar é aquele que nos motiva a elevá-lo contra a sua vontade. De quem nunca precisou do paternalismo como característica de afirmação de uma vontade precisamos nós. Que saudade é esta por uma busca de algo maior que nós? Algo que nos transcende como uma explosão, que nos eleva em comunidade ao mais bonito dos sonhos.

     Era uma vez o Zeca. Ao contrário de outros, ele continua vivo nas nossas memórias. E o Zeca, hoje, está mais vivo que ontem. Respeitando a última das suas vontades, cantemos: "Ergue-te ó Sol de Verão/ Somos nós os teus cantores".

 

 



publicado por Rui Moreira às 22:18 | link do post | comentar

1 comentário:
De:

Data:
7 de Março de 2013 às 00:15


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012