Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2013

 

Que mundo selvagem este onde nos querem impelir a aceitar uma condenação perpétua à plutocracia. O governo dos mercados e dos grandes interesses económicos. Um pesadelo assente na austeridade indefectível, inabalável e sem alternativas, onde a operacionalização do conceito de demos foi corrompida e transformada num enorme teatro onde o leque de escolhas parece agora limitado à barbárie dos números. Tudo vale, se a emissão de dívida comporta menos um ponto percentual, se o banco se mantém e se o regime vigente se eterniza. Tudo vale, como prova a crua realidade do mundo pós-subprime.


Na verdade, os factos falam por si. Será possível que a concepção de poder ascendente esteja de tal forma diluída nos anais da história, que aceitamos um triunvirato que governe e desgoverne a seu bel-prazer sem o mínimo de responsabilidade? Impingem-nos cortes, refundações e reformas sem legitimidade democrática e a sua solução é apresentada como a salvação para o busílis da dívida. Mas que dívida, se nem a apresentam? A nossa ou a do BPN, a do BPI, a do Banif e a do BCP, entre outros que verdadeiramente vivem acima das suas possibilidades e responsabilidades? Afinal de contas, quem mandatou estes burocratas do aparelho para optar por um modelo social e económico que somente origina desemprego, precariedade e pobreza? Foi assim em todas as intervenções externas que ocorreram e das quais há memória colectiva. Os beneficiários são aqueles que aparecem na lista FORBES e que aumentam as fortunas e as instituições ou organizações que duplicam o lucro com base na especulação, na crise das dívidas soberanas e nas oferendas de governos e troikas, quais deuses pagãos. Mesmo em tempo de depressão económica profunda, assinale-se.


A horizontalidade não serve só para a estrutura accionista e nenhum povo é lixo. Não houve um único cidadão nem uma única cidadã que tenham escolhido democraticamente uma sociedade onde a política se ajoelhe perante a soberba da finança privada. Temos de sair à rua no dia 2 de Março e provar a toda esta classe, qual chorrilho de ofensas à dignidade humana, que entre a distopia e a democracia há muito que fizemos uma escolha: o povo é quem mais ordena.





Também presente em: www.queselixeatroika.net



Frederico Aleixo às 02:09 | link do post | comentar

1 comentário:
De:

Data:
7 de Março de 2013 às 00:14


Comentar post

Ana Moura Pinto

Frederico Aleixo

Catarina Castanheira

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

José António Barbosa Borges

Paulo Tomaz

Pedro Silveira

Rui Moreira

Artigos recentes

Os Esteves Sem Metafísica

Não me pergunta pelo BPN?

É um problema nosso, dr.ª...

O lado solar do fascismo

O que têm em comum Matteo...

A Deputada que chora nos ...

O Consenso sou Eu

Rubra CPLP ao Rubro

Hello Lenin!

Seguro lovers

Arquivo

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012