Sexta-feira, 14 de Setembro de 2012

 

Uma semana bastou para se perceber como se mobiliza um povo. Um Governo que aceitou governar em tempos de exigência, competência e especial sensibilidade, consegue desbaratar num ano a legitimidade política em sucessivos erros, omissões, polémicas com os seus membros, perder-se nas promessas políticas que encantam um povo cansado, contudo sereno e contido, sábio que é e está no poder da sua acção e do seu papel nestes tempos de indigência, e em três actos públicos, próximos no tempo, esgotar a paciência do povo que governam, e destruir a legitimidade que lhes resta.

 

Nos três actos um dado comum. Obstinado na cruzada ideológica neolibeiral, o Governo apresenta como medida regeneradora a aplicação da descida da Taxa Social Única (TSU), descida essa a ser paga pelo trabalhador. Perante tal fundamentalismo ideológico e descarado experiencialismo social, um incomum consenso social se constrói, tal é a evidência de um desastre a evitar.

 

Eis que uma manifestação já agendada, com o intuito de demonstrar o descontentamento quanto ao futuro previsível, ao status quo europeu instalado e distante, e à injustiça que se agrava e aprofunda, surge agora como farol de um descontentamento mais amplo, alargado e consciente das mesmas causas e consequências, implacável com o experiencialismo social e ciente que “há limites e nem tudo é legítimo”.

 

Acorda, não tenhas medo. Não estás só. No difícil e sensível jogo da Democracia, o momento da Rua é este. Recorrendo às palavras de Hélia Correia: “De que armas disporemos, senão destas” (*).

 

 

 

* Correia, Hélia – «A Terceira Miséria». Lisboa: Relógio d’Água, 2012. p. 39.

Nota: Foto de Eduardo Gageiro, 1 de Maio de 1974.



publicado por Gabriel Carvalho às 16:33 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012