Quarta-feira, 6 de Março de 2013


A minha leitura diária da informação ontem foi abalada pelas palavras concomitantes da ofegante e triste respiração do vice-presidente e agora presidente interino da República Bolivariana da Venezuela: Nicolás Maduro. A notícia, essa era previsível apesar daquele recôndito espaço de esperança que guardamos sempre na alma. Aquela réstia libertária perante o casulo da inevitável enfermidade. Morreu Hugo Chávez Frías, a figura que personalizou o bolivarianismo socialista, a ânsia de liberdade e independência, assim como a justiça social. Um projecto novo a dar os primeiros passos como uma criança. Uma criança que sofreu quedas e se levantou novamente. Como uma criança também se magoou. Mas assim como uma criança, mantinha o entusiasmo e fazia progressos inolvidáveis durante o seu crescimento.


Esta penosa notícia marcou o mundo. Levantaram-se os adeptos fervorosos do chavismo e os críticos cegos. Pelo meio os observadores objectivos da realidade venezuelana foram distinguindo o que de bom e mau foi realizado. Da esquerda à direita haverá uma panóplia de razões para criticar o regime venezuelano. Eu próprio procuro fazê-las no sentido em que devemos duvidar de tudo como apontava Marx. Não era um regime de consensos, era um regime político e em política nunca será desenhado um paradigma de governação inerte e imune.

O retrato que quanto a mim melhor resume os anos em que vigorou o projecto socialista de Chávez é o Golpe de Estado ocorrido a 11 de Abril de 2002. Todos os seus intervenientes são como que tipos-sociais vicentinos, neste caso venezuelanos. De um lado temos o grande patronato que se esconde na oposição e procurou reagir à política de redistribuição da riqueza do petróleo, assim como às políticas sociais que incluíram entrada de capital do Estado em sectores económicos que afrontavam os grandes empresários como a banca ou o comércio a retalho alimentar. A própria reforma agrária contrariou muitos interesses instalados. Estes foram os autores do Golpe, fazendo uso dos meios de comunicação privada e de uns quantos militares oposicionistas. Do seu lado estavam a Espanha e os Estados Unidos da América, potências que viram os seus privilégios económicos na região serem combatidos. Em defesa da Constituição Bolivariana estava a camada pobre, a maior diga-se, da venezuela que usufruiu dos progressos proporcionados pelas missões sociais e os investimentos na educação e na saúde. Uma população que finalmente se viu livre de uma lista interminável de governantes que não souberam aproveitar o beneplácito eleitoral para dirigir um país de acordo com os seus programas sufragados. Os apoiantes de Chávez juntamente com os militares que o apoiavam fizeram questão de resgatar o Presidente e reelegê-lo sucessivamente.

Todavia, a espada de Bolívar não se limitou a desferir golpes contra a oligarquia interna. Também no plano internacional foram dados passos suficientemente importantes no caminho da contra-hegemonia diante de um sistema internacional ameaçado de unipolaridade estadunidense apoiada pelas potências ocidentais. Neste sentido, Hugo Chávez desenhou uma política multi-lateral que, no complicado jogo de xadrez externo, procurava unir as potências consideradas ameaçadoras para o governo americano, apesar das diferenças ideológicas. Por outro lado foi determinante para principiar um projecto de comunidade política sul-americana. Neste âmbito se criou a ALBA, comunidade de países bolivarianos da América e avançaram projectos nos mais variados domínios como a TeleSur, enquanto permanece o diálogo sobre um hipotético Banco do Sul.

Chávez foi um líder em tempos de indigência mundial. Um líder num mundo de lideranças medíocres e pouco imaginativas. Um líder que personalizou excessivamente o seu regime, podendo Nicolás Maduro pagar caro essa herança. Fortaleceu demasiado os poderes a si conferidos lançando névoa sobre a separação de poderes e independência da Justiça. Porém, reduziu assimetrias, ligou povos e recebeu amor dos que acreditaram no seu projecto político. O autor da doutrina do Socialismo século XXI, Heinz Dieterich, lançou críticas pela estaticidade e os poucos avanços em direcção a uma política com princípios anti-capitalistas. São críticas legítimas e dignas de reflexão pela esquerda, sem dúvida. Mas deixo a questão: o mundo seria o mesmo sem Hugo Chávez? O mundo do subprime, do neocolonialismo, dos interesses do capitalismo financeiro, dos saques a juros hediondos e da depradação dos direitos sociais e económicos conquistados duramente pelos trabalhadores e trabalhadoras. Tenho a certeza que a História dará uma resposta e fará a sua justiça. 

 

 



publicado por Frederico Aleixo às 20:01 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012