Quinta-feira, 14 de Março de 2013

Agora que o mediatismo papal está finalmente a terminar, e o rebanho de almas sem pastor, já tem quem seguir, resta saber o que amanhã dirá Vítor Gaspar, que é nem mais nem menos a triste realidade, para católicos e não católicos portugueses.

 

A coisa promete: o governo construiu a narrativa de que a sétima avaliação estava demoradíssima (afinal só demorou mais um dia que a mais longa), tanto que o ministro Gaspar nem conseguiu ir ao Conselho de Ministros, algo talvez menos necessário, uma vez que os seus poderes foram reforçados. Fosse ele um super-herói como o Superman, o Spiderman ou um dos Fantásticos, e estaríamos nós descansados. Em parte foi mais ou menos assim apresentado com o seu fantástico currículo. Porém a triste realidade, com ou sem papa, é que o super-ministro não é um super-homem, pelos vistos mal sabe fazer contas, e amanhã as nossas opções talvez estejam circunscritas a mais austeridade, apesar de diferida no tempo, na fantástica quantidade anual de um, e no máximo dois, e ardilosamente denominadas de refundação do Estado. Só benesses, claro está, pelo extraordinário trabalho deste governo, que mansinho e submisso acede a tudo o que Merkel, BCE, FMI e os deuses Mercados acham por conveniente. Para si claro.

 

Contar com o Presidente da República, só de vez em quando, que o senhor trabalha muito, várias horas por dia e até ao fim-de-semana, concentrado que está em corrigir textos e preposições. Estejamos descansados que o senhor ouviu a monumental vaia na monumental manifestação de 2 de Março, apesar dos muros e paredes que o separam da realidade, e ouviu simplesmente pois foi bastante ruidosa. Apesar também, do tamanho das manifestações, do desemprego, do desmoronamento do Estado, da crescente conflitualidade social instigada pelo governo e seus apaniguados, da crescente pobreza, o Presidente da República vai dizendo que o governo faz o que pode, não fossem um para o outro o sustento do poder de um e outro.

 

De maturidade, apenas a resposta da sociedade, patente na mobilização intergeracional e interclassista, que pondera esse movimento e demonstra espírito pacífico, apesar da violência sobre si exercida, consciente da força libertadora da sua responsabilidade, sinal do que verdadeiramente pretende. Quem pensa que se trata de uma massa amorfa, um conjunto de interesses individuais, incompreensão em relação aos papéis representativos do Estado, engana-se. É a cidadania, é a Democracia.

 



publicado por Gabriel Carvalho às 23:33 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012