Sexta-feira, 15 de Março de 2013

     Projecções do desemprego, naturalmente, revistas em alta, dívida pública histórica, recessão em mais do dobro do valor projectado há 3 meses atrás, prolongamento de prazos para o cumprimento do programa que, à partida, nos destina um inevitável incumprimento. A tudo isto, somamos uma fantasia normativa de soberania. E, claro, a indigência intelectual dos nossos eleitos. Sobre este último, e perdoai-me a falta de racionalidade para enquadrar determinadas condutas políticas em algum género de linha de pensamento, prefiro a poética insolência, quero dizer-vos: até posso aguentar estar no desemprego, condição sine qua non, segundo Pedro, para quem viveu acima das suas possibilidades (o famoso ajustamento de que fala é o acerto de contas com os portugueses), aquilo que não poderei aguentar mais tempo é a rendição do Governo português ao coloquial gado externo.

     Desta vez, o destacado Príncipe do gado coloquial Vítor Gaspar, nos seus mansos modos, assume o falso génio que o habita e a inalienável impreparação que o esgota. Para quem pensar que demitir o Governo é irresponsável e que a voz popular nas ruas vale muito pouco, desengane-se. O próprio Vítor pediu a demissão esta manhã e, para nosso regozijo, ofereceu-nos as razões que sustentam tal pedido: incompetência e fanatismo.

     Diz-me um ou outro amigo da área da psicologia que, normalmente, a resistência na assunção de culpas é o primeiro e mais árduo passo para o reconhecimento da necessidade de tratamento. Vítor já o fez. Estou contente por ele. E por nós.

 



publicado por quandooslobosuivam às 14:35 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012