Sexta-feira, 22 de Março de 2013

Confesso que não percebo toda a comoção com o retorno de José Sócrates à vida pública nacional como comentador político. Não é só pela óbvia razão de toda a gente poder dar a sua opinião, que esse direito não está só reservado a membros do Governo em cerimónias públicas, nem sequer só porque acho que ele é das pessoas mais qualificadas para falar sobre o país e a governação, mas porque acho efectivamente positivo que uma pessoa como o Sócrates dê o seu contributo na nossa vida pública.

           

Compreendo, mas nunca acompanhei, o raciocínio de que alguém que sai da liderança de uma organização (ou de um país) deve abandonar a vida pública. Aliás, nem sequer compreendo a lógica que se instalou de um líder que perde eleições ter de sair da liderança, Soares não o fez e muito outros honrosos exemplos existem, maioritariamente anteriores a esta nossa sociedade ‘de consumo imediato’, mas isso é uma outra discussão.

 

Acho também que a manutenção na vida pública dos ex-líderes é uma coisa positiva, permite pôr os seus conhecimentos e a sua experiência ao serviço da Sociedade. Independentemente de se gostar ou não deles, são pessoas em quem um número significativo dos meus concidadãos confiou e a quem concedeu legitimidade, isso significa alguma coisa. Permite também uma outra coisa fundamental, que eles sejam avaliados e obrigados a enfrentar as consequências das suas decisões. Tudo isto é ainda mais relevante no momento em que enfrentamos a maior crise (que é tanto moral, como social e económica) de que algum de nós tem memória.

 

Nesta conjuntura, e existindo uma narrativa da actual maioria para toda a nossa crise que põe exclusivamente as culpas de tudo o que nos está a acontecer numa única governação e numa única pessoa, é positivo que Sócrates venha a terreiro apresentar os seus argumentos. Todos deviam estar contentes com isto. Aqueles que acham que ele é o grande culpado devem estar contentes por ele voltar para assumir as suas responsabilidades e dizer de sua justiça (porque não pode não comentar a realidade e a realidade envolve-o directamente). Todos os outros devem desejar isto porque não mais será possível à actual maioria, impunemente e sem contraditório, justificar tudo com a retórica simplista da culpa do anterior Primeiro-ministro.

 

 

 



publicado por Gonçalo Clemente Silva às 02:23 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012