Sábado, 23 de Março de 2013

 

O tribunal cível de Lisboa aceitou a providência cautelar do movimento «Revolução Branca» o que, por agora, impede Fernando Seara de se candidatar à Câmara Municipal de Lisboa.

A notícia já tem uns dias, mas a sua actualidade e pertinência no panorama político nacional manter-se-ão, previsivelmente nos próximos meses.

 

Se há algo fácil de afirmar, lançado para o ar como uma daquelas tão estranhas e entranhadas certezas e verdades inabaláveis do senso comum, é que os juristas, esses seres de outro mundo com linguagem própria e que se formam para contornar as leis que eles próprios pensam, só complicam!

É que só complicam!

Não sabem escrever um código, um diploma ou o raio de um mero artigozinho (daqueles mesmo pequeninos e meios invisíveis que apenas têm a diminuta função de proclamar direitos) em linguagem de gente. Assim para o óbvio, sem margem para dúvidas. Porque o mundo em que vivemos só se constrói com certezas. Com fundações de fortes materiais como o terreno típico do Estado da Flórida, mas, ora, são certezas.

 

Quis o infortúnio e a minha pobre cabeça que os meus estudos enveredassem pelo Direito, vulgo “culto diabólico”.

Se antes olhava um qualquer diploma ou norma legal como uma tremenda confusão ou quando perceptível «óbvio, mais que óbvio!»; agora dou por mim contaminada!

Pois, sim, contaminada! Não é que uma simples palavra no sítio errado, uma mera expressão, entre outras artimanhas podem causar dúvidas catastróficas?

São os malucos dos juristas! Vão aprender Direito e saem com mais dúvidas do que antes.

 

Será que estamos perante um sistema mirabolante e, que se complica a realidade numa ânsia desenfreada por elitismo bacoco e distorcido?

Será que a realidade, as situações da vida humana e social são tão vastas e complexas que só uma mente "predizente" poderia alguma vez estruturar sem contratempos toda uma máquina de pesos e contrapesos?

 

As palavras valem o que valem. Estão escritas, inertes ao tempo.

Há valores que as enformam muito superiores. E a palavra depois de compilada foge ao seu dono, atinge voos nunca pensados ou apaga-se, simplesmente, na obscuridade da não aplicação.

Logo assim, sem dó nem piedade, um aspirante a jurista aprende de sobressalto os trâmites da interpretação. As ambiguidades deste procedimento. As brincadeiras traiçoeiras de uma linguagem que não chega para exprimir todos os fenómenos.

Sim, é verdade, não há erro nem “dois pesos e duas medidas” se num caso o resultado é A e noutro é B. Há diferentes ponderações das várias componentes de avaliação.

 

Aos corajosos que chegaram aqui deixo-vos um “presente”, uma centelha de luz no meio da confusão.

 

Um objectivo: renovação nas instituições democráticas locais. Não há pessoas insubstituíveis. Aliás, o culto exacerbado da personalidade pode fazer prosperar no curto prazo, mas com condições nefastas na realização saudável de uma sociedade e Democracia que vão para além da duração da vida humana.

Um meio: uma Lei que limita os mandatos dos Presidentes de Câmaras Municipais e de Juntas de Freguesias a 3. Com tanto debate, tantos estudos, tantas ponderações e constatações públicas. Foi há pouco tempo, mas o tempo só engana no que convém.

Interpretação: porque não são todos os problemas da vida e jurídicos tão fáceis, com os elementos todos tão recentes, com o espírito ainda fresco e a pairar por cima de nós?

 

Parabéns tribuna cível de Lisboa.

Veremos as cenas dos próximos episódios.

 

«O espírito de quem fez a Lei é claro» e eu acrescentaria sem qualquer pudor a esta citação: “e eu tenho ainda mais gozo em ir contra ele!”.

 

 



publicado por Catarina Castanheira às 00:57 | link do post | comentar

1 comentário:
De Sopro Leve a 19 de Abril de 2013 às 21:30
Existem coisas que fazem-me "grande confusão", e esta é uma delas...
Legislar para contornar a vontade do Povo, sim que isto é retirar o poder do Povo eleger, democraticamente.
Se o Povo não faz bom uso desse poder já é outra conversa...
Problema que só pode ser ultrapassado com responsabilidade, conhecimento e consconsciência.
Responsabilidade para assumir as suas opções, independentemente das consequências dessas opções;
Conhecimento do caracter, valores e capacidade do eleito, no qual deposita o seu voto;
Consciência que o seu voto pode interferir negativamente na sua vida, e na dos demais homens do povo.
No dia em que o povo alcançar este patamar de consciência, isto muda...

Até lá o sistema predominantemente vai fornecendo umas palhaçadas para ele se divertir...


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012