Quinta-feira, 28 de Março de 2013

Na política podemos (e em certa medida é compreensível) ter Homens como exemplos. Normalmente vislumbramos nessas pessoas a expressão concreta do nosso pensamento político ou, pelo menos, de algumas das ideias que entendemos serem fundamentais para a vida coletiva.

Muitas vezes neste processo mitificamos indivíduos, elevando-os à perfeição por representarem o nosso ideal político. E é mesmo por a política, como a vida, ser um mar de complexidade e imperfeição que inconscientemente traçamos a nossa rota com base num farol, ideal por certo, mas num farol. Esse farol não é, no entanto, a maior parte das vezes uma pessoa. São ideias… personificadas.

 

O regresso de José Sócrates à vida pública pode ser entendido nestes termos. E é, por isso, legítimo que muitas pessoas vejam nele a personificação de muitas das suas próprias ideias políticas. O que me causa algum constrangimento é essas pessoas terem a profunda convicção que são de esquerda, que são simpatizantes ou militantes de um partido progressista e que é José Sócrates quem corporiza todo esse património ideológico. Não é. Nem nunca poderá ser.

 

Eu não digo que Sócrates seja de direita. Mas também não é um progressista. A sociedade ideal de Sócrates é uma nebulosa que estive 6 anos a tentar descortinar. Sem um alvo, ainda que seja um alvo em constante movimento, é impossível esperar algo coerente para o atingir. E muito menos atingi-lo, ainda que parcialmente. Nesse sentido, Sócrates confirmou Guterres como feroz pragmático, prontos a seguir os ventos de uma História que supostamente tinha acabado.

 

É por isso que estranho que hoje, ao mesmo tempo que vários sectores sociais discutem novas formas de intervenção política, que pessoas de esquerda regressam à política ativa, que análises sociais macro-históricas se adensam, que um (ainda incipiente, é certo) discurso de alternativa ao atual capitalismo encontra eco, o Partido Socialista esteja encantado com José Sócrates. Talvez a minha estranheza esteja deslocada, talvez este partido não seja para socialistas. Talvez um dia. Talvez.

 

 

PS: Agradeço aos restantes autores o convite para escrever neste espaço. Uivarei o melhor que posso e sei, “[s]e a tanto me ajudar o engenho e arte”.

 

 

Géricault - Le Radeau de la Méduse (1819)


publicado por Pedro Silveira às 16:37 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012