Terça-feira, 16 de Abril de 2013

     Cavaco Silva é o representante máximo da falência das instituições democráticas em Portugal. Não tenho particular gosto em exaustivamente repetí-lo. Tornou-se até cansativo, para mim, tentar perceber ao longo dos últimos anos o que promoveu este pequeno catedrático à ribalta. Ou melhor, a forma encapotada como se apresentou aos eleitores e vingou. Ainda assim, versa a minha análise sobre ele e os diferentes momentos históricos que liderou, a mal da Nação.

     Comecemos pelo fim. Aníbal Cavaco Silva toma a decisão de insuflar o actual Governo. Em choque para com o seu dever, o de fazer cumprir os preceitos constitucionais, Cavaco inaugura o "Estado de Excepção" à porta fechada. Sem consulta prévia do seu conselho, cuspindo na vontade popular e na mediática declaração da inconstitucionalidade do Orçamento Geral do Estado, opta por segurar Pedro, Vítor e Paulo à cadeira, respectivamente. A justificação para este circo é curiosa: afirma a maioria parlamentar como suficiente para estabilizar o funcionamento do Estado. No momento seguinte, Pedro inteligentemente esvazia a autonomia das administrações públicas. Afinal, apenas controlam a Assembleia da República e o Estado, esse, parece estar contra eles. Aparentemente, Aníbal desconhece a esfera de legitimidade destes seus discípulos. Igual a si próprio, recusa-se a perder o seu tempo a informar os proles do teor desta decisão. Contudo, as palavras do Primeiro Ministro são elucidativas das razões do rapaz de Boliqueime: solidariedade. Conclui-se que Cavaco é parte integrante desta seita, assumindo hoje a sua liderança espiritual e política. Pessoalmente, escrutino esta decisão na esfera da Separação de Poderes e preocupa-me que a generalidade das pessoas com quem discuto este assunto pense da mesma forma: Cavaco é o líder da seita governativa. Engane-se quem ainda acreditar que este homem disputou Presidenciais recentemente.

     O fenómeno da criação de seitas na política portuguesa é interessante. Em primeiro lugar, pela sua formação de acordo com o velho estilo siciliano Capo Regime ou regime de Capo. Depois, pela sua implementação em organizações políticas, criando todas as dependências pessoais e financeiras possíveis ao seu verdadeiro objectivo: crime e consequentes pactos de silêncio escudados pela omertà, o seu código de honra próprio. Qualquer cidadão minimamente informado e com acesso a algumas peças de investigação transmitidas conhece o caso BPN e sabe que o mesmo consubstancia a ascensão de um grupo mafioso. Uma ascensão partidária, com base em diferentes interesses, e sistémica, envolvendo variados agentes e caras como a de Cavaco Silva. Este caso pertence exclusivamente à esfera judicial e é tempo do mais alto magistrado da Nação se pronunciar.

     Cavaco Silva é o percursor de um modo muito próprio de pautar a actividade política de um país: maiorias parlamentares sem prestação de contas, a contra-revolucionária bastonada, a mistificação do modus operandi europeu do Governo. E importa aqui referir essa mistificação, designadamente nestes dias de totalitarismo financeiro e soberania externa. Cavaco Silva herdou o poder num período histórico no qual se tomaram as mais importantes decisões da comunidade europeia. Estamos hoje em condições de avaliar as consequências do Tratado de Maastricht, nomeadamente da união monetária, e de equacionar a perda dos "poderes tradicionais do Estado", como à data referiu Mário Soares. Estamos igualmente em condições de afirmar que Cavaco é o responsável maior pelo estado a que Portugal chegou.

     *Diário de Notícias, algures 1992. Declarações de Mário Soares no American Club.


publicado por Rui Moreira às 21:04 | link do post | comentar

3 comentários:
De jorge a 20 de Abril de 2013 às 14:55
E no entanto, foi um governo socialista que transformou o problema privado chamado BPN num problema de todos nós. É de recordar que o BPN representava menos de 2% da banca nacional, logo devia-se ter deixado falir o banco e deixar o fundo de garantia bancária entrar em acção. Isto sabia-se na altura, portanto porque razão foi nacionalizado o BPN? E porque foram nacionalizados os prejuízos mas deixando os activos saudáveis de fora? Pois é, se calhar as coisas não são a preto e branco.


De jorge a 20 de Abril de 2013 às 15:20
Já agora, concordo com o escrito sobre Cavaco. Só não acho que de um lado haja demónios e do outro anjos.


De Rui Moreira a 20 de Abril de 2013 às 21:56
Longe de mim esse raciocínio, caro Jorge. Concordo totalmente com os seus argumentos acerca da nacionalização do BPN. O que quero relevar é o cunho cavaquista nas hostes da SLN.


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012