Quarta-feira, 19 de Setembro de 2012

«Indignai-vos!», disse Stéphane Hessel, voz da resistência francesa ao nazismo, especialmente aos jovens franceses, que encontram pela frente motivos que fortalecem o sentimento de indignação, de resistência e inconformismo. Indignados, foi o que surgiram, não só em França, mas um pouco por todo o mundo, e tambémem Portugal. No passado sábado estiveram um milhão de portugueses estimados na rua, entre jovens, seus pais e avós, todos os quadrantes políticos, classes e extractos sociais, numa manifestação que muitos comparam com as concentrações ocorridas após a Revolução de Abril. Um milhão de vontades com uma palavra de ordem: Basta!

 

«Somos responsáveis enquanto indivíduos» disse Sartre em mensagem libertária, e a ordem foi clara. Há limites para os sacrifícios e nem tudo é legítimo. Passado mais de um ano de Governo as promessas tornaram-se vãs, o Governo que se apresentou rigoroso e exigente demonstra-se hoje incompetente e incapaz de controlar o deficit, tarefa na qual os portugueses se empenharam. Insensível à realidade o Governo partido, de um incompetente mais um demagogo, diz que segue em frente, com um fim, mas sem estratégia, e em falência moral, querendo retirar rendimentos do trabalho do trabalhador, para entregar aos patrões.

 

Na sua cruzada ideológica, da qual começaram as primeiras deserções, o Governo entra pelo perigoso caminho da condução deliberada do país à fragilização social e à miséria, contra um consenso social singular, do qual é o único ausente. Até os sectores mais partidariamente insuspeitos recusam o modelo social que nos querem impor, e bem. Mesmo tendo em conta possíveis “modelações”, que mais não são que discursos ocos, e aprofundam o sistema apelidado de inevitável a que estamos presos, a resposta deverá ser a rejeição.

 

Todos somos responsáveis, individual e colectivamente, pela construção da sociedade em que vivemos e do seu futuro. «Empenhai-vos!» Empenhamo-nos!

 

 

 



publicado por Gabriel Carvalho às 17:16 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012