Quinta-feira, 9 de Maio de 2013

Nós, que somos lobos, uivamos à passagem das leis pelos nossos montes e que arrancam a eira e a leira por debaixo do nosso velho sacho, que erguemos outrora contra os administradores dos Serviços Florestais e os seus guardas capangas que vieram em carrinhas de Lisboa com os mapas e as réguas nas mãos. Hoje, voltamos a uivar com os índios da Amazónia, que terão os seus ancestrais territórios inundanos pelas barragens que se mandarão construir a partir do planalto de Brasília que, por ser planalto, só vê a água lá em baixo sem nunca se afogar. Como em Lisboa outrora, quando o plano nacional de barragens destruiu e os Serviços Florestais roubaram. Os povos frágeis tem o dever de levantar as suas gadanhas quando o poder oprime roube e tiraniza. Nós, que somos lobos, uivamos à passagem dos tiranos. Eles que saibam que um dia desceremos das montanhas rochosas onde afiamos as garras nas escarpas rochosas de uma vida dífícil e tanto mais quando nos solidarizamos com os infortúnios dos nossos irmãos. Da Palestina ao Sahara Ocidental passando pela Amazónia e por Atenas, mas voltando rápido para casa, porque somos cá igualmente precisos.

 

«-Para Arcabuzais, Corgo das Lontras, Ponte do Junco, Azenha da Moura... a serra é berço, paládio e até altar. Os filhos, julgam Vosselência que eles os fazem na cama, debaixo da fumosa e feia telha-vã? Não, senhores, os filhos fazem-nos na serra quando a queirós e a giesta estão em flor.

Estrugiu uma gargalhada no friso de Zurbaran. Muito tenso, o engenheiro Lisuarte Streit deu uma topetada no ar, desdenhoso:

- Tudo isso é lirismo e do mau.

- De facto é lirismo e do mau - replicou o advogado, com um sorriso levemente zombeteiro, sobre o bonacheirão, a quebrar o gume cortante das palavras, não fosse picar-se o urso. - A prosa e da boa está nas coimas que os Serviços Florestais hão-de trazer aperradas contra os transgressores e nos agravos que o labrego, hoje livre de percalços, terá de suportar dos que naturalmente usam a tiracolo uma carabina de guerra. Prosa e da boa (...) é também a de dar o seu tiro aos coelhos, às lebres e até aos lobos, mesmo que apoquentem os currais, para que o senhor almoxarife possa proporcionar aos figurões de Lisboa, dos Serviços, dos Ministérios, batidas principescas... Sei isso tudo.»

 

Aquilino Ribeiro, 'Quando os Lobos uivam'



publicado por José António Borges às 21:51 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012