Domingo, 23 de Setembro de 2012

Em 2006 Sofia Cappola estreia nos cinemas de todo o mundo o filme “Marie Antoinette”, que conta a história de vida da rainha consorte de França, no reinado de seu marido Luís XVI, séc. XVIII, e dos tempos de exuberância e luxúria, contrastante com os mesmos tempos de fome e miséria, num período marcante e excepcional da história francesa.

 

Antes do filme, Maria Antonieta, fica na história como ícone da cultura popular, no filme, surge como personagem humana, contendo em si muitos dos paradoxos da vida do nosso século.

 

A história é feita de muitas, pequenas ou grandes e variadas histórias, e na passada sexta-feira, dia de Conselho de Estado e manifestação, lembrei-me de uma. Conta essa história que o povo exausto de tantos impostos e taxas, com fome e vivendo na miséria não aguentava mais e rumou ao Palácio de Versalhes, sumptuoso e esmagador em beleza. Munidos de archotes, foices e forquilhas, o povo manifestou o seu descontentamento gritando palavras de ordem e forçando a entrada no palácio. No seu interior encontrava-se a corte, entre barões, viscondes, condes, marqueses e duques, o rei e a rainha, Maria Antonieta. Esta intrigada com o ruído ensurdecedor do povo no exterior, pergunta às suas damas de companhia:

 

- Por que razão gritam os meus súbditos? O que quer o povo?

 

Com o devido distanciamento físico, de entendimento e da posição que separa uma rainha dos seus humildes servidores, as damas de companhia respondem:

 

- O povo diz que tem fome, Sua Majestade.

 

Após breves segundos de reflexão, Sua Majestade, a Rainha de França e Navarra, Arquiduquesa da Áustria, filha dos imperadores do Sacro Império Romano-Germânico, Maria Antonieta de Habsburgo-Lorena, debaixo de tal autoridade sanguínea, determina solenemente, no substrato da sua vivência:

 

- Dêem-lhes brioches! Dêem-lhes brioches!

 

(Imagem do filme "Marie Antoinette", escrito e realizado por Sofia Coppola, de 2006)


publicado por Gabriel Carvalho às 21:16 | link do post | comentar

1 comentário:
De Ricardo Santos a 25 de Setembro de 2012 às 13:13
Este episódio caricato da História foi citado por Jean-Jacques Rosseau no seu livro auto-biográfico Confissões, publicado postumamente em 1782.

A afirmação é comumente atribuída a Maria Antonieta e demonstra bem o alheamento da nobreza em relação às dificuldades do povo.

A analogia com o conselho de estado na passada sexta-feira é perfeita... Contudo, o episódio está mal relatado, o que retira força à ironia involuntária da princesa. A rainha é informada que o povo não tem pão.

"(...) à qui l'on disait que les paysans n'avaient pas de pain, et qui répondit: Qu'ils mangent de la brioche!"

Parabéns pelo blog.

Os meus cumprimentos,
Ricardo C Santos




Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012