Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

Lembram-se do distante dia 5 de Abril, quando foi lido o acórdão do Tribunal Constitucional, em que este órgão declara inconstitucionais algumas normas do Orçamento de Estado para este ano, e em que o Governo perde o que lhe restava de legitimidade? Lembram-se do cheque em branco em forma de curto comunicado do Presidente da República, no final de uma reunião urgente com Passos Coelho e Vítor Gaspar, no dia seguinte, 6 de Abril? Por fim, lembram-se da declaração ao país, de Passos Coelho, reforçado pelos poderes do Presidente, e da forma como tenta por em causa as decisões de outra instituição? Se não se lembram, será importante recordar, até para se perceber, como, uma a uma, as instituições da República vão caindo e desaparecendo.

 

A última, foi o Conselho de Estado, que apesar das crises social, económica, financeira e política profundas e imparáveis, é convocada a sua reunião para discutir o longínquo ano de 2000 e sabe-se lá, e em que uma vez mais, as expectativas dos cidadãos portugueses (que por cá continuam) saem defraudadas. Não se esperava ver o Presidente Cavaco no papel de Judith segurando a cabeça decapitada do general assírio Holofernes, é demasiado para tão fraca e pequena figura, mas o momento exigiria o resgate da sua função como poder equilibrador, e o resgate do poder de quem legitima as instituições, os cidadãos. Ao que se assistiu, foi a um jogo arrogante, finalizado com uma declaração de resultado nulo, que marcou um momento insignificante. Precisamente o contrário do pretendido das instituições de um sistema político democrático.

 

Os que lá estão cairão, esperemos ter à altura homens da cidade, que saibam reconstruir o país e as instituições.

 

"Judite com a cabeça de Holofernes"de Lucas Cranach, o Velho (1472-1553).


publicado por Gabriel Carvalho às 14:39 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012