Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

     Todos nos lembramos das afirmações proferidas por gente próxima do Governo e até pelo próprio: "O país terá que empobrecer". O objectivo é simples: destruir para reinar. Esqueceram-se, porém, de que gerir um país não é dirigir uma guerra. Hoje, Wolfgang Schäuble, Ministro das Finanças alemão, elogiando o seu amigo Vítor Gaspar, apelidou o ajustamento do país de "caso de sucesso". Certamente que Wolfgang, o caceteiro do austeritarismo internacional, conhece a realidade do país. Por isso temos andado a lutar por memorandos antagónicos: de um lado está quem considera a fome um sucesso e do outro quem combate essa política e consequente discurso. A verdade do ajustamento, camuflada pelas mentiras do ajustamento, faz escola em Portugal e coloca portugueses contra portugueses. Não reconhecermos o Governo e instituições internacionais como terroristas é um erro fatal da nossa parte. Engolirmos em seco as justificações que nos prestam (por exemplo, vivermos acima das nossas possibilidades), nomeadamente no ataque à estrutura do Estado, é cavarmos o nosso próprio buraco.

     Para desmentir o sucesso do ajustamento vou publicar alguns dados.

 

     1) A Dívida Pública. Apresentada como parte do sucesso do ajustamento.

     1.1) Dívida directa do Estado:

 

     

   

 

     - Dados do IGCP.

 

     1.2) Juros da dívida:

 

     

     - Dados do Relatório de Execução Orçamental.

 

     1.3) Comparação entre os dados do 1º Trimestre de 2012 e o 1º Trimestre de 2013 relativos às Contas do Estado:

 

 

 

     - Dados da Direcção-Geral do Orçamento.

 

     Em nome da Dívida Pública, o Governo operou um corte estrutural nas funções públicas de cerca de 6 mil milhões de euros durante 2012. A Dívida prosseguiu o seu aumento e os seus juros ascendem, no final de 2012, a um valor total próximo da austeridade imposta pelo Governo à estrutura do Estado no mesmo período. 

 

     2) O Desemprego.

     2.1) A "oportunidade", segundo Pedro Passos Coelho:

 

     

     - Dados do IEFP.

 

     2.2) A mensagem de esperança:

 

 

 

 

 

 

 

     - Dados do IEFP.

 

     2.3) Terrorismo social:

 

 

     - Dados do IEFP.

 

     Este é o verdadeiro sucesso do ajustamento do país. Para além dos cortes estruturais nas funções do Estado terem servido directamente para o pagamento de juros da Dívida Pública (nunca evitando o seu aumento), a recusa de uma renegociação do memorando com a Troika fará de nós bons alunos, sobretudo na morte. Os impostos aplicados originaram este desequilíbrio e trouxeram-nos ainda mais desemprego com a depressão económica verificada. Como inicialmente referi, não reconhecermos o Governo e instituições internacionais como terroristas é um erro fatal da nossa parte! Não os combater é permitir que o discurso do sucesso faça escola a nível internacional.



publicado por Rui Moreira às 21:32 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012