Sexta-feira, 31 de Maio de 2013

Sinto-me profundamente representado por Mário Soares. Ainda que este não desempenhe actualmente qualquer cargo político, além do de Conselheiro de Estado, basta circular pelas ruas e cafés para entender o respeito pela palavra de Soares. Assim acontece também com Jorge Sampaio, e penso eu, com Ramalho Eanes. Três ex-Presidentes da República que souberam, grosso modo, representar todos os portugueses, dignificar a função, gerir o equilíbrio de poderes, sem esquecer por algum momento, por um lado o Povo, e por outro a Democracia, fazendo lembrar a expressão de Lincoln: “a Democracia é o governo do povo, pelo povo, para o povo.”

 

Com toda a carga histórica da personalidade política, Mário Soares, consegue aos 87 anos, continuar a ser um elemento chave na sociedade portuguesa, na intervenção constante e na insistência e participar activamente na construção de soluções para os problemas do seu país. Assim deveríamos agir enquanto cidadãos. Mais uma vez, Soares o conseguiu, no encontro “Libertar Portugal da Austeridade”, juntando as diferentes esquerdas, que com muitas dificuldades o faz, e por complexos históricos, não consegue dialogar. Ou melhor, parece que não conseguia, e deu o primeiro passo.

 

Quanto a mim, precisarei de outros momentos como este para derrubar algum cepticismo que tenho alojado, não tanto por acreditar nas soluções que podem surgir à Esquerda, e desta em amplo consenso com a sociedade e as suas forças vivas – como se viu no encontro “Libertar Portugal da Austeridade” -, mas sobretudo pelas ausências de elementos da vida política portuguesa representantes de partidos de Esquerda, que não compreendem o momento e não compreenderão totalmente o seu papel. António José Seguro e Jerónimo de Sousa, cometeram o erro de faltar, e nessa ausência, como em outros momentos, falhar na demonstração a um país atento e sensível, que existem alternativas e outras possibilidades. E diga-se, isso não é pouco: é a diferença entre manter uma sociedade coesa, ou uma sociedade à deriva; é a diferença entre aprofundar a Democracia e promovê-la, ou assistir ao seu esvaziamento e ao declínio, nos quais nenhum projecto político democrático pode singrar.

 

Uma vez mais Soares. Tal como fez antes do 25 de Abril, quando trouxe para a luta contra a ditadura, componentes relevantes da sociedade, como por exemplo os católicos progressistas, também hoje, Soares entende profundamente o momento e consegue atrair ao consenso político, personalidades sem vinculo partidário, mas civicamente activos, com participação constante na vida política portuguesa, como é o caso do Reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa. Este, no seu exemplo, é um elemento agregador, e a sua presença, a atitude brilhante no convite de Soares, que chamará certamente outros a este consenso.

 

É curiosamente de Sampaio da Nóvoa, uma das afirmações mais significativas do encontro: “É só um encontro? Pois é, mas um encontro pode decidir uma vida. Podemos falar, podemos conversar e agir em conjunto.”

 



publicado por Gabriel Carvalho às 15:58 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012