Terça-feira, 18 de Junho de 2013

 

A imagem é a do Palácio Nereu Ramos em Brasília, sede do Congresso Nacional, construído na simbólica Praça dos Três Poderes, ocupados por manifestantes na última noite, em luta contra o prejuízo nos seus direitos e pelas opções políticas. A imagem impressionará sobretudo os habituais e temporários inquilinos do Palácio, mas não apenas estes. Num mundo global em que sobretudo as imagens correm e difundem-se em segundos, os poderes financeiros, autoritários e autocráticos, e mesmo os mais democráticos, sentem por momentos o medo das situações que controlam, até no Brasil dinâmico, centro do desporto mundial, pujante e em ascensão.

 

Porém, se a imagem é geradora de incomodo e medo, é também geradora de reacção, que invariavelmente se direcciona para o seu controlo, com a maior ou menor demonstração de forças, como continua a acontecer na Praça Taksim em Istambul.

 

Esta é também uma imagem que se junta aquelas da Praça Taksim, ou da Praça Tahrir no Cairo, ou ainda nas manifestações multiplicadas pela Europa e os EUA, resultado das consciências democráticas das populações, da afirmação de direitos, e de uma profunda alteração da ordem internacional em geração. Se o caminho for o do aprofundamento dos direitos e deveres democráticos e de uma economia despojada e depurada dos mecanismos do capitalismo selvagem e da desregulamentação dos mercados, tanto melhor.

 

Por cá, e no contexto do surgimento dos movimentos que lutam pelo afirmação do ser cidadão, e enquanto centro da acção política, num percurso de emancipação do cidadão e da cidadania, não há como não fazer um paralelo entre a ocupação da cobertura do Palácio do Congresso Nacional brasileiro, e os confrontos pronta e indiscriminadamente resolvidos pela polícia a 14 de Novembro de 2012 nas imediações da Assembleia da República. Por cá, usou-se o medo e a força, contudo do ponto de vista político nada mudou, pelo contrário. E das próximas vezes?



publicado por Gabriel Carvalho às 16:03 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012