Sábado, 22 de Junho de 2013

 

Os povos começam a despertar de acordo com os acontecimentos que têm ocorrido na Turquia e no Brasil, principalmente. As manifestações multiplicam-se um pouco por todo o mundo e as reivindicações acabam sempre, umas vezes mais frontalmente que outras, por esbarrar no paradigma económico dominante e vigente um pouco por todo o mundo. Se em Instambul um protesto contra a especulação imobiliária reflectida no empreendimento a ser efectuado na Praça Taksim acabou por arremessar outras questões de foro económico e social; no Brasil a exigência de uma redução no preço da tarifa de autocarro também inverteu a agenda política e conseguiu introduzir a temática dos serviços públicos e do investimento nos sectores da educação e saúde no discurso de Dilma. Mas se os cidadãos e cidadãs acordaram freneticamente, os regimes contra os quais se rebelaram nunca adormeceram. Pelo contrário, os seus mecanismos repressivos têm vindo a fortalecer-se. Na verdade, os dispositivos de segurança pública interna são os últimos bastiões de resistência da cúpula. As forças de segurança que deveriam primar pela defesa da lei são inúmeras vezes manietadas para oprimir e esmagar qualquer foco de instabilidade. Em vários países é possível assistir a uma tentativa de alterar as regras do jogo, deturpar a separação de poderes e criar um clima de perseguição em nome da ordem social.

 

No Brasil não passou incólume a hipotética aprovação do PEC 37 que inclusivamente foi adiada devido à voz das ruas. Uma proposta de emenda à Constituição brasileira que permitiria entregar o monopólio das investigações criminais à polícia, retirando qualquer poder ao Ministério Público nesse campo. Se juntarmos a este facto a violência das forças policiais nos confrontos com os manifestantes, tendo resultado em vários feridos e dois mortos até ao momento, verificamos o perigo que esta proposta poderá representar. A própria Dilma deixou impune a acção perpetrada pela polícia nas ruas na sua declaração ao país, atribuindo o ónus da culpa a uns poucos "vândalos".

 

A situação turca foi bastante mais visível e explícita.  O recurso a torturas e detenções arbitrárias para não falar no uso de armas químicas alertou o mundo para os limites da democracia turca no ponto de vista de Erdogan. Para já as manifestações foram proibidas na Praça Taksim e as responsabilidades da escalada de tensão entre as forças envolvidas foram atribuídas à imprensa internacional e às redes sociais. O próprio primeiro-ministro turco já afirmou que tenciona censurar sites como o facebook e o twitter. Como sempre o papel de criminoso foi reservados para aqueles e aquelas que quiseram fazer valer o seu ponto de vista sobre a situação vivida no país.

 

Em terras portuguesas não devemos esmorecer com qualquer tentativa de desincentivar a exteriorização da nossa insatisfação. A maneira como a Troika e os seus capatazes chantageiam os cidadãos e cidadãs com o medo que é alimentado pela precarização laboral ou perda de direitos sociais e económicos ou com a ameaça de legislar de forma a condiciar as várias formas de luta deve, pelo contrário, trazer a população à rua. O Governo tem receio do que aí vem e providenciou o aumento da verba orçamental do Ministério da Administração Interna, as multas avultadas para a prática de graffitis ou a criação de uma comissão instaladora que em 2012 ficou responsável pela instalação de um Centro Nacional de Cibersegurança. Mas não é o povo que deve temê-lo, é o governo que deve temer-nos.

 

 

 



publicado por Frederico Aleixo às 19:06 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012