Quarta-feira, 3 de Julho de 2013



Estas sistemáticas crises políticas a que nos temos habituado nos últimos meses fazem sempre as delícias de comentadores políticos e demais ‘insiders’ da política. No entanto, na situação a que chegámos já só há uma análise política relevante a fazer.

 

A análise que se impõe com urgência já não se prende com questões ideológicas (que não podem ser esquecidas, evidentemente, mas já estamos em todo um outro patamar), nem programáticas, nem, muito menos, partidárias. A análise que tem de ser tida em conta e é já evidente é institucional, de Estado. O actual Governo da República não tem quaisquer condições para executar um programa político, qualquer programa político, e isso tem-se revelado evidente. Um país na maior crise económica que conheceu em décadas, na situação financeira mais difícil que alguma vez enfrentou e sob assistência financeira internacional não pode estar sujeito a um sistemático clima de ingovernabilidade. Não nos podemos dar ao luxo de, de três em três meses, ficar durante vários dias em suspenso para saber o que vai acontecer ao Governo e ao país, fruto das irresponsabilidades de todos os protagonistas políticos. Não é compreensível que os responsáveis políticos criem sistematicamente crises para as quais não se preocupam em encontrar soluções, evitando-as em vez de as promover. As negociações e legítimas lutas de poder dentro do executivo não se podem fazer na praça pública. Temos sido governados com uma absoluta e evidente incompetência que não é compatível com os sacrifícios pedidos aos Portugueses. A partir de hoje, o actual Governo da República não existe, e todos já o perceberam.

 

Neste momento só importa saber uma coisa: há ou não há condições, no actual quadro Parlamentar (e portanto respeitando as escolhas eleitorais para a actual legislatura), para haver um Governo estável e que consiga aplicar um programa político, qualquer programa político que obtenha apoio do actual Parlamento, com competência, responsabilidade e falando honesta e claramente ao país?

 

Se há, esse Governo tem de ser nomeado e o actual demitido. Se não há, tem de haver eleições. Na nossa actual situação, é assim tão simples.



publicado por Gonçalo Clemente Silva às 00:01 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012