Quarta-feira, 26 de Setembro de 2012

Não nos enganemos, vivemos uma patologia internacional e sistémica que nos oprime em nome de uma agenda política, económica e financeira bem definida. Os regimes apresentam-se frágeis e titubeantes, os pilares da res publica foram derrubados e somos governados de acordo com a força das circunstâncias. Vivesse hoje Rousseau e considerava que nem o voto nos torna verdadeiramente livres por um dia. O sonho de Monnet virou um pesadelo e Miguel de Vasconcelos hoje estaria orgulhoso dos governantes que o cumprem em cada país. Quem votou em Passos Coelho, votou em Selassie e condenou este país ao subterfúgio do memorando. Mas de que falo eu? Tão somente da cosmopolis. Não a dos concorrentes e clientes mas a do pilar da solidariedade, a do domínio público consubstanciado numa esfera pública. A democracia de iguais idealizada por Arendt. Falo da legitimidade popular adormecida por um discurso de Gaspar e do branqueamento das raízes da crise. A crise é internacional, porra. 

 

A multidão saiu à rua. Ninguém está muito convencido de que viveu acima das suas possibilidades num país com um número taxativo de pessoas a viver abaixo do limiar da pobreza. Acusar os portugueses da dívida privada que se sobrepõe à dívida pública é como alegar que o subprime não se deveu ao casino das intituições financeiras. Esse discurso está gasto e se os nossos bancos fossem sólidos como advogavam não teriam necessitado da recapitalização do Estado nem de comprar os títulos de obrigações da dívida portuguesa a juros elevados quando são financiados a 1% pelo BCE. Muitos, excepto os fanáticos troikistas, também não compreendem a razão que leva a que o sistema financeiro internacional pouco tenha mudado após a última grande crise e nenhum quadro da Goldman Sachs ou da Merrill Lynch esteja neste momento a almoçar na cadeia. E de como a primeira referida ainda conseguiu estender os seus tentáculos a governos europeus. E as agências de rating? Aquelas que dotavam os CDO’s tóxicos de triplo A e agora nos transportam num saco de lixo? E a crise das dívidas soberanas não foi alimentada por bancos europeus que agora nos chamam de PIGS? Ouço a palavra  «responsabilidade» de um modo banalizado, quando nenhum dos agentes citados foi chamado a depor e ainda lucram com as reformas e salários dos países soterrados em números iníquos que pouco foram investigados. Há quem tenha a lata ainda de argumentar que Portugal tem de agradar os mercados. E eu que pensava que era a classe política que tinha de administrar bem a pólis para agradar os cidadãos. Imaginei que a concepção de poder democrático era ascendente e não descendente. Que o contrato social determinava que o Estado servia a comunidade e não deuses pagãos que necessitam de sacríficios para serem alimentados.

 

A crise não é abstracta. Tem nomes e responsáveis. As suas vítimas também, independentemente da sua nacionalidade. O inimigo é transnacional e por isso a oposição também terá de se configurar desse modo. Só temos duas vias de lidar com o contexto capitalista actual numa dialéctica aberta: ou assumimos o nosso compromisso na história de mudarmos o paradigma; ou refugiamo-nos na técnica, na rotina e na mediocridade. Precisamos dos outros para sermos livres e por isso assumo a minha identidade como português, espanhol, irlandês e grego entre tantos outros povos explorados. A luta é internacional, porra.



publicado por Frederico Aleixo às 18:59 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012