Terça-feira, 8 de Outubro de 2013

Luís Amado considerou hoje que "não nos podemos esquecer que nós temos no parlamento forças revolucionárias". Referia-se às de esquerda. Eu considero hoje também, que já tive Luís Amado em melhor consideração. Não concordando sempre, mas apreciando as intervenções, a relação inverteu-se no momento em que o senhor deixou o debate de ideias livre, e passou a servir a mesma agenda daqueles que têm minado os nossos dias.

 

Lendo estas afirmações não consigo deixar de afastar da minha memória auditiva os discursos à Emissora Nacional no tempo da outra senhora. Claro está, com as devidas diferenças. Porém, logo surge outra memória, a do medo do comunismo, não vão eles lembrar-se de comer criancinhas ao pequeno almoço, e imagine-se opor-se ao estabelecido.

 

Enfim, deixemos Luís Amado, que mais não faz do que vestir um libré. A ameaça da revolução à esquerda (que não se vê ou sente) é o simples disfarce, na transformação revolucionária do Estado construído desde 25 de Abril de 1974. É a substituição na revolução de todos, pela de alguns. É a substituição da igualdade de oportunidades, pelo darwinismo social. É a substituíção de uma democracia social e de direitos, pela supressão destes e a servidão. Na Holanda este processo (revolucionário) tem agora o suave nome de "sociedade participativa", e que mais não é que o nosso conhecido "salve-se quem puder".

 

Para lá destes soundbytes, importa sair do torpor e interiorizar que a verdadeira revolução já está em marcha, e serve-se no nosso país da direita - e esta deixa-se servir. O leitmotiv é o dinheiro e o lucro e é para já a verdadeira e derradeira vitória do capitalismo. Até que um dia surja a revolta.


 

 



publicado por Gabriel Carvalho às 23:13 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012