Segunda-feira, 4 de Novembro de 2013

Regresso à escrita, profetizando.

Aqui fica uma pequena parte da minha própria narrativa.

 

«With great power comes great responsibility».

Quantos de nós reconhecem automaticamente esta frase batida e rebatida na saga comercial cinematográfica, e antes nos tão aclamados livros de BD, do "Homem Aranha", pela mão da Marvel Comics e pelas luzes de Sam Raimi.

Esta frase sempre me fez reflectir. É agradável. Tem o seu je ne sais quoi de heróica. Provoca em muitos que a pronunciam e citam um certo "orgulho", tantas e tantas vezes martelado pelo seu reverso.

 

O Poder traz, portanto, responsabilidades.

É inato ao homo sapiens sapiens o desejo de moldar e, em larga medida, de dominar, nem que tal resulte de uma terrível aparência libertadora e, simultaneamente, castradora, a sua vida, as circunstâncias sociais, políticas e, inclusive, físicas e metafísicas que o rodeiam.

Tudo meritório.

O incentivo à participação dos cidadãos, sobretudo na construção e qualificação da Democracia, quer pelo investimento na sociedade cívica, quer pela sagaz contribuição política ou prima facie em ambas, é algo que tod@s almejamos.

 

Contudo, há esta apurada "estranha" curiosidade e confronto.

O ser cívico anseia ser ouvido, modelar, que as coisas em geral sigam o que a sua brilhante mente profetiza.

Quando se atinge um patamar de poder ou Poder, estes anseios concretizam-se, mas surge a Responsabilidade. De Pensar, mesmo quando não apetece. De Agir concretamente sob pena de penalizações para o próprio e para os que lidera. De responder por consequências impensáveis. De saber como dizer sim, não e como ser capaz de equilibrar os pratos da balança contra o rumo do tempo.

Não é para tod@s. Tod@s correm atrás do poder, mas muitos, quando vêem próximo, tropeçam, recuam e regressam, num constante jogo de crianças.

 

Pessoalmente, pressiona-me (e impressiona-me) mais, muito mais, a segunda fase desta narrativa.

A Consciência.

 

Não, não se trata de um profundo tratado filosófico, paradoxal e "pleonásmico".

 

Há momentos na vida cívica e política em que a Consciência de se possuir as capacidades, as qualidades, as competências (tri-classificação não ingénua) essenciais, obriga a que se assuma um determinado Poder, sob pena da justa responsabilização pelas consequência do falhanço ou mero incumprimento do bem maior.

São as horas das mais dolorosas reflexões, em que os puros desejos, medos e dificuldades do ente batalham com a "missão" que ele não pediu, que lhe foi imposta.

Imposições conflituam com Liberdade, obviamente. Mas depois de impostas, firmadas e assentes, pese embora a sua natureza controversa e quiçá quase injusta, são novas restrições aos nossos direitos mais essenciais. Sobre a Consciência. Quem decide é a Consciência.

Essa tão peculiar responsabilidade "sem mais" da Consciência.

 

...

 

Consciência?!

 

 




publicado por Catarina Castanheira às 18:01 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012