Quinta-feira, 9 de Janeiro de 2014

Há muito de esquizofrénico e de desrespeitoso até, neste debate da ida de Eusébio para o Panteão Nacional, tendo em conta a forma como foi agendada a discussão para a reunião da conferência de líderes da Assembleia da República, na disputa de quem sugere primeiro, não fosse qualquer dos partidos cair nas más graças do povo. Claro está, nenhum partido recusou e todos concordam na ida para o Panteão.


Tal discussão seria sempre mediática, esquizofrénica é que talvez não, caso a lei que rege o ato de atribuição de honras de Panteão fosse a anterior a 2001, que previa um período mínimo de 5 anos desde a morte de determinada personalidade até à entrada do processo de discussão na Assembleia da República, precisamente o tempo necessário para esfriar os ânimos das emoções, do imediatismo, do mediatismo doentio e dos aproveitamentos políticos e de outras ordens, que desta vez fizeram os abutres sobrevoar o Palácio de Belém, o Palácio e o Palacete de São Bento.


Numa comunidade que se revê em determinados valores culturais e humanos, a atribuição de honras superiores a quem os corporiza não pode estar sujeita a humores, paixões clubísticas ou questões do momento, essas são condição das comunidades decadentes. Aristides de Sousa Mendes, por exemplo deveria lá estar; devíamos discutir o sentido da atribuição dessas honras a Francisco Sá Carneiro, entre outros, alguns poucos. Duma coisa estou certo, com o devido respeito e salvaguardando Eusébio, não quero ver o Panteão Nacional ocupado por futebolistas e concorrentes da Casa dos Segredos, ou de Leopoldo de «Para Roma com Amor», interpretado por Roberto Benigni, um homem comum confundido por acaso com uma estrela de cinema, e tornado extremamente popular enquanto não é substituído por outra estrela.

 



publicado por Gabriel Carvalho às 19:55 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012