Sábado, 29 de Setembro de 2012

 

Começo com uma declaração de interesses: não sou chavista. Aliás, tenho pudor em cingir a minha ideologia socialista a uma personalidade política, ainda que o meu imaginário seja preenchido pelo exemplo ético e corajoso de Salvador Allende. Também não sou ingénuo e sei, até pela obra “Mãos Sujas” de Jean-Paul Sartre, que o pragmatismo político por vezes nos impede de almejar o céu sem sujar os pés. Esta contingência obriga-nos a uma análise fria do plano político e sua contextualização no espaço e no tempo. É neste âmbito que gostaria de abordar o regime bolivariano.

 

No dia 7 de Outubro teremos mais um episódio eleitoral na Venezuela. Utilizando a dicotomia esquerda/direita, teremos frente-a-frente Hugo Chávez e Capriles Radonski, respectivamente. Mais uma vez os venezuelanos serão chamados às urnas para depositarem o seu voto e optarem entre a continuidade do projecto sócio-económico iniciado há pouco mais de um decénio ou o seu término, pelo menos nos moldes actuais. É importante ressalvar que apesar do desprezo a que tem sido confinado o actual Presidente pelos media ocidentais, a sua reeleição parece ser o cenário mais plausível tendo em conta as sondagens. O motivo? Bem-vindos à República Bolivariana.

 

Em primeiro lugar, gostaria de esclarecer que não subscrevo um certo centralismo político patente na Constituição Bolivariana, fruto da minha ética republicana. Refiro-me aos mandatos de 6 anos que considero excessivos e à possibilidade de reeleição sucessiva sem limitação de mandatos, assim como a excessiva personalização do regime em torno de Hugo Chávez ou a Lei Habilitantes que possibilita ao Executivo governar por decreto em áreas nevrálgicas sem passar pelo Congresso. Todavia não sou imune à evolução civilizacional a que temos assistido na pátria de Bolívar.

 

Graças à nova Lei Máxima, foram constitucionalmente protegidos direitos políticos, sociais e económicos de extrema importância: progresso no reconhecimento de direitos das comunidades indígenas, a garantia de educação, saúde e pensão, a redução da jornada laboral de trabalho ou a apropriação de sectores estratégicos por parte do Estado.

 

Todas estas normas foram consubstanciadas em planos de desenvolvimento como o Programa Económico de Transição 1999/2000 e o Plano de Desenvolvimento Económico e Social da Nação 2001/ 2007. Através da Lei dos Hidrocarbonetos que possibilitava ao Estado controlar a riqueza do seu país, mormente os recursos petrolíferos através da PDVSA, foram avançadas várias medidas de protecção da dignidade humana como as Missões Sociais financiadas pelo Fundo para o Desenvolvimento Económico e Social do País (FONDESPA) que promoveram passos gigantescos no combate à exclusão social e na construção de sectores universais e gratuitos em áreas como a saúde e educação. Neste momento, a estratégia económica visa diversificar o tecido produtivo do país com o patrocínio do Estado. Os resultados são bens visíveis e traduzem um novo tecido social. De 1999 (Hugo Chávez tomou posse a 2 de Fevereiro de 1999) a 2011, e só para citar alguns, o índice de desenvolvimento humano (IDH) cresceu de 0,7835 para 0,8261; a população a viver na pobreza extrema diminuiu de 16,6% para 7% e a taxa de desemprego baixou da casa dos 14% para 7%. Pelo caminho todos os indicadores a nivel de saúde e educação denotaram uma melhoria significativa.

 

A estes dados é necessário acrescentar os obstáculos que surgiram no caminho da Venezuela como a instabilidade dos preços relativos ao sector petrolífero, a inflação, a greve de vários funcionários da PDVSA e o Golpe de Estado, para não referir a Crise de 2008.

 

Em relação a Capriles Radonski, independentemente das suas boas intenções, os factos falam por si. Está associado ao Golpe de Estado de 2002 patrocinado por Pedro Carmona, empresário e presidente da FEDECÁMARAS, uma associação patronal poderosa com uma agenda clara de interesses privados,  e pelos órgãos de comunicação social privados com o apoio dos Estados Unidos da América, que tentou derrubar o Governo de Hugo Chávez. Enquanto alcalde do munícipio de Baruta liderou e permitiu o cerco à embaixada cubana por apoiantes do golpe, numa tentativa que transgredia a Convenção de Viena.

 

Neste sentido, se em terras do Uncle Sam está em jogo a eleição do Presidente com mais consciência social no plano do liberalismo económico, já na Venezuela a vontade popular oscilará entre o actual modelo social e a antiga Venezuela, um país de contrastes e assimetrias. Eu não sou chavista mas sei bem em quem votaria.

 

 

 



publicado por Frederico Aleixo às 00:57 | link do post | comentar

1 comentário:
De JOAO a 29 de Setembro de 2012 às 12:08
Nem uma palavra sobre o deficit democrático?...


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012