Segunda-feira, 5 de Novembro de 2012

     Tive o prazer de ouvir há alguns dias atrás na Biblioteca de Serralves, no Porto, o ex-Presidente da República Jorge Sampaio. Não sendo esta uma nota bibliográfica, é apenas minha intenção sublinhar algumas partes da conversa.

     O momento prolongou-se por duas horas nada cansativas. Foi interessante compreender todo um percurso de vida baseado numa educação muito singular, num sacrifício familiar inacreditável e numa postura ética política e profissional notável que, infelizmente, escasseia. A narrativa deste homem é, certamente, um exemplo para todos e aconselho a leitura da biografia do próprio. Contudo, não é a humanidade de Jorge Sampaio que pretendo exaltar. Muitas vezes somos mais pequenos que o nosso discurso e, naturalmente, não reza este texto sobre um homem sem mácula. Antes pretendo sublinhar o que o mesmo afirmou sobre o Orçamento Geral do Estado para 2013. "A Contituição da República Portuguesa como o garante de um consenso mínimo que permitiu, nas últimas décadas, a unidade do país e a manutenção de um contrato social universal", referiu. Na avaliação da proposta deste Orçamento confiscatório, Sampaio concluiu afirmando que "não podem ultrapassados os limites da dignidade". Na ausência de um Presidente da República que actue, são estas as palavras que me completam perante o abismo anunciado pelo Governo. Não estamos separados da Grécia por um ano, estamos à distância de um dia. Quem nos governa esqueceu a presidência da República e esta faz-se esquecer na assunção de responsabilidades. Cavaco Silva abdicou da bigorna com que moldou o juramento de defesa da Constituição e, perante a sua imobilidade e imoralidade, faz cada vez mais sentido ter saudades de Jorge Sampaio.

 



publicado por Rui Moreira às 19:15 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012