Terça-feira, 18 de Março de 2014

Reli hoje uma longa entrevista a Medeiros Ferreira, dada ao jornal Expresso em 2012, e fiquei novamente com a impressão de ter lido um certo testamento político. Tratou-se do testamento de um grande pensador e ator na arte da política, encontrando-se na entrelinhas os contributos de Mazarin a outros mais recentes, que evidentemente leu. Porém, para lá dessas transparências que é possível vislumbrar, estão os contributos próprios, daquilo que acrescenta à arte, aquilo que é verdadeiramente seu, e que não é pouco. Além da habilidade no lidar do comportamento do homem político, ficam o profundo entendimento da Democracia, visível no desassombro e liberdade éticas, a que, aqui e ali, chama de linha formalista, numa opção democrática na vivência do regime após a Revolução de Abril, mas também e sobretudo em tempos anti-democráticos, em que as liberdades estão cercadas. A linha formalista, é no caso de Medeiros Ferreira, aquele entendimento democrático, que mesmo na sombra da ditadura, o leva a agir desassombrado, em insubmissão de quem vive verdadeiramente livre. Não foi o único, mas é caso raro. Optando por essa sua linha, código ético e bom exemplo de republicanismo praticado, que pode bem ser a resposta para a questão tantas vezes levantada nas inúmeras conferências que recentemente evocaram o centenário da República sobre o que é afinal a ética republicana. Na dificuldade da resposta, por vezes algo temerosa, fica a sugestão: é o exemplo ético dos valores.

 

Vem isto a propósito das lágrimas da Senhora Deputada da Assembléia da República, Maria José Castelo Branco, eleita pelo círculo do Porto nas últimas eleições legislativas, nas listas do PPD-PSD. As lágrimas terão ocorrido porque se viu pressionada a mudar de opinião de uma primeira para uma segunda oportunidade na votação da coadoção de crianças por casais do mesmo sexo. Não tenho dúvidas quanto ao tortuoso e violento descontrolo de sentimentos que levou ao humano ato de chorar, violência desencadeada pelas direções do seu partido (poderíamos falar de outros) que não teve o menor pudor em ditar e retirar a liberdade à escolhida pelos eleitores cidadãos. De resto, e focando no objeto da votação, o recuo civilizacional vem a par de outros que vamos vivendo, e mostram mentalidades mesquinhas e desumanas mas, registe-se, as lágrimas podem também ter servido para expiar remorsos, contudo não anularam o ato de votar contráriamente o que antes tinha sido votado favoravelmente, nem apagam o desrespeito aos cidadãos, ao parlamento, à democracia, e ademais, aos partidos. A liberdade de militar num partido, está na compreensão dessa relação e naquilo que se aceita ser restringido. A consequência em respeito por si e pelos cidadãos e instituições, é só uma: o pedido de demissão irrevogável, no velho e ansião sentido da palavra.

 



publicado por Gabriel Carvalho às 22:05 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012