Sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

 

Ao contrário de muitos, sempre reconheci a Seguro uma enorme capacidade política. Recordo-me perfeitamente de o ver em 2004, no arranque da campanha para as Europeias que o PS venceria com 44%, a arrebatar toda uma audiência com um discurso mobilizador. Não me surpreende, por isso, ver o Seguro que tenho visto nos últimos dois meses, em campanha interna. Surpreendeu-me sim ver um Seguro completamente diferente durante três anos à frente do PS.

 

Já me têm dito, desde o início da campanha interna, coisas como “picaram-no, agora aguentem-se”; caramba, então é preciso ameaçarem-lhe o lugar que considerava garantido para que ele ganhe vida? A defesa dos valores do PS, a oposição a esta política, a defesa dos direitos sociais e da vida dos Cidadãos da República não é motivação suficiente?

Afrontaram-no e isso irritou-o, compreendo. Mas os cortes de salários não o irritaram? O desemprego não o irritou? O ataque à escola pública, à segurança social e ao SNS não o irritaram? Qual é efectivamente o seu objectivo, mudar o país, derrotar esta política, ou ‘apenas’ ser Primeiro-Ministro?

Não consigo compreender um líder político que é mais duro, mais agressivo, contra a sua oposição interna (que é legítima num partido democrático, porque, apesar de agora não podermos destituir o líder do PS, isto ainda não é o PCP nem a Coreia do Norte) do que é contra aqueles que, supõe-se, estão a impor ao país uma política com a qual discorda. Não aceito um Secretário-Geral que se insurgiu mais violentamente contra os supostos ‘interesses’ existentes no PS do que contra todos os negócios opacos de Miguel Relvas, Dias Loureiro e tantos outros. Não é só, não pode ser, porque Miguel Relvas seja um amigo de largos anos e Costa um adversário de sempre.

 

Seguro defende que se anulou para assegurar a paz interna. Mas, se a sua suposta oposição interna é a que sempre reclamou uma atitude mais agressiva para com o Governo, como pode isso justificar tanta passividade? Na minha opinião, uma das razões fundamentais é que Seguro esperava que isto fosse um passeio. Habituado desde sempre a gerir a sua carreira nos cânones habituais da política lusitana, Seguro esperava que o poder lhe caísse ao colo sem grande esforço e sem grandes compromissos, ignorando que isto não é uma carreira e os tempos que correm são tempos de audácia, de convicções e de luta.

 

Mas há mais uma coisa que seguro diz, e essa eu também acho que foi uma razão fundamental: Seguro entendeu que tinha de fazer uma oposição ‘responsável’. Na procura dessa responsabilidade, Seguro abdicou de pôr em causa (ou então nunca sequer quis) todo o consenso neoliberal existente em Portugal e na Europa, impedindo qualquer efectiva distinção de fundo entre o PS e a direita. Para mim esse é o seu fundamental problema e, por essa razão, ele contaria sempre com a minha oposição interna, ainda que os resultados eleitorais fossem bons, que não foram. Sobre a posição ideológica de Seguro, e a minha oposição a ela, conto escrever ainda até amanhã. Mas há uma coisa que tenho de referir agora: a ânsia de Seguro se distanciar de Sócrates.

A imagem pública de José Sócrates, depois de sair do governo e tendo assinado o memorando de entendimento, deu a seguro a razão perfeita para procurar distanciar-se dele, coisa que quereria sempre fazer dada a rivalidade entre ambos. Ora, fazendo isto, Seguro abdicou de contrariar, durante quase três anos, a tese da direita sobre a origem da crise, impedindo-o de efectivamente apresentar uma visão alternativa.

Nisto eu não conseguirei ser mais claro do que o (insuspeito em matérias de Sócrates) Daniel Oliveira já foi, aconselho-vos a ouvir:

 

 



publicado por Gonçalo Clemente Silva às 00:29 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012