Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

Sobre a situação na Ucrânia o Partido Comunista Português tem duas coisas a dizer, neste dia de hoje: por um lado a preocupação com o avanço e poder da extrema-direita - repartida por nacionalistas, xenófobos, anti-semitas, racistas e neo-nazis -, preocupação que partilho por inteiro; por outro, o seu característico e persistente anacronismo em relação ao tempo e aos acontecimentos registados na história, que me escuso demonstrar, e que vão da queda do Muro de Berlim ao colapso da União Soviética. Passaram já cerca de 25 anos.

 

No fundo, o Partido Comunista Português, faz o papel dos filhos do filme «Good Bye, Lenin!» ao tentar ocultar da sua mãe uma mudança revolucionária. Esta, casada com a pátria socialista, fica internada num hospital durante o período que levou à queda do Muro de Berlim e ao fim do sistema comunista na antiga República Democrática Alemã. Na sua escolástica, no seu léxico, guerreiros contra o colonialismo, o imperialismo e o capitalismo do Ocidente, permanecem fiéis defensores do Pacto de Varsóvia, tementes e reverentes à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. 

 

Com isto não se pense e ridicularize ao ponto de pensar que o Partido Comunista Português não vive no mesmo mundo da informação e comunicação em que todos vivemos, ainda que não o entendamos por exclusão. Como no modelo da velha União Soviética, mas também no mundo da vivência política comunista, a lógica é a de extremar posições: de um lado a extrema direita e com ela o capitalismo, a União Europeia e os EUA, e do outro o velho ideal de Lenine, corporizado no antigo mundo comunista, temporariamente derrotado pelos interesses do grande capital e do imperialismo ocidental. A lógica da oposição à extrema-direita pode parecer perigosa, e é, mas é a única que permite a este partido manter a esperança de ganhar terreno, é a única capaz de subsistir em lógica extremada permitindo-lhe corporizar-se como alternativa.

 

 

 

 



publicado por Gabriel Carvalho às 22:46 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012