Quinta-feira, 13 de Março de 2014

 

Fotografia: Adriano Miranda/Público

(Fotografia: Adriano Miranda/Público)

 

Aníbal Cavaco Silva tem feito do apelo ao consenso uma espécie de reza pessoal diária. Toda a ocasião lhe tem parecido apropriada para expor esta sua doutrina de perversão da ideia de Democracia, de afastamento do confronto de ideias, de negação da pluralidade. Caminhará algo próxima de um Fukuyama e de o “fim da História” de que o próprio já se arrependeu de, um dia, ter decretado. Nada disto, porém, é novo em Cavaco, já lhe conhecíamos frases modelares do pensamento como a que resulta da imagética de duas pessoas sérias que, com a mesma informação, chegam necessariamente a conclusões semelhantes. Num mundo híbrido e sem valores seria assim. A realidade desmente estas ficções e fixações.

 

O Presidente da República, que deveria procurar ser de todos os Portugueses, não se liberta do seu pequeno mundo e da sua mundividência. No prefácio do mais recente dos seus “Roteiros”, nova prece. Dias depois de vir a público esse prefácio surge um Manifesto transversal na sociedade Portuguesa, et voilá o tão almejado consenso, da Esquerda à Direita, do movimento sindical ao empresarial, todos se revêm num denominador comum, reestruturar a dívida para crescer sustentadamente. Cavaco não defrauda os seus pergaminhos, ignora o manifesto e dois signatários desse Manifesto que integravam o grupo dos seus conselheiros da Casa Civil foram exonerados dessas funções no dia da apresentação do Manifesto. Este consenso, com senso, abarca uma amostra significativa da sociedade portuguesa, mas não serve a Cavaco. Tal como o Estado estava para Luís XIV, para Cavaco “O consenso sou eu”.



publicado por Frederico Bessa Cardoso às 21:08 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012