Sexta-feira, 7 de Fevereiro de 2014

Quatro minutos depois da hora marcada, Rui Tavares entra tranquilamente numa sala composta pela metade. Não fossem as presenças, a seu lado, de um jornalista e de um fotógrafo, a sua chegada teria provocado o mesmo tumulto do que a dos que, naquele auditório, aguardavam pelo início da conferência pública “Mudar a política em Portugal e na Europa: o projecto do LIVRE”.

A informalidade protocolar de um partido que se quer livre – num primeiro plano, das amarras que têm aprisionado as diversas Esquerdas – soou, desde logo, ao mais puro dos informalismos. Tal como os jovens que, esperançosamente responderam às condições adversas do pós-Guerra, através da criação de um movimento artístico, nos rostos dos presentes transparece a ideia de esperança que só a liberdade plena pode transportar.

A crença num caminho alternativo à lógica partidária instituída, ainda que silenciosa, transborda num auditório maioritariamente composto pelos filhos dos que heroicamente viveram Abril e que cresceram a enfrentar as agruras provocadas pelo quotidiano pós-moderno. Em surdina, quase que ecoam as letras dos Ornatos Violeta, relembrando que este é um tempo de nascer.

Após confirmar se estão asseguradas as condições necessárias para iniciar a sessão, Marta Loja Neves ocupa o seu lugar na mesa, sendo acompanhada por Rui Tavares e por outros três militantes.  Projectada na tela que se encontra sobre o palco, a bandeira do Centro Democrático Federal 15 de Novembro evoca a temeridade dos que a 31 de Janeiro procuraram implantar a República. À frente dos oradores, o verde cintilante faz com que as garrafas de água assumam inevitavelmente um papel de destaque.

Num partido que se funda nas ideias ecologistas, o plástico fica à porta, cedendo o seu lugar a outros materiais menos prejudiciais ao ambiente. Tal como nas obras informalistas, os símbolos não se resumem à função de meros adornos, carregando em si um forte significado.

Inspirado pelos que naquele sábado de 1891 tentaram derrubar o regime, Rui Tavares começa a sua intervenção, assumindo que no LIVRE existe a consciência de que o insucesso é uma realidade possível. Porém, o eurodeputado afirma que “não há vergonha nenhuma em falhar, há sim em não tentar”. A conferência começa assim com o discurso do elemento mais emblemático deste novel partido da Esquerda Portuguesa e Europeia.


Manifestando que, para si, “a actividade partidária não é uma primeira, uma segunda, ou uma terceira paixão, ao contrário da actividade política”, o ex-membro da tendência Manifesto confessa-se esperançado de que “este possa ser um partido sem um aparelho semelhante ao dos partidos tradicionais”. Entre esta e a intervenção que viria a fazer no final, Rui Tavares procura desmistificar os principais dogmas que pairam nebulosamente sobre esta nova concepção de liberdade.

Aos críticos que apontam o LIVRE como um meio para se manter no Parlamento Europeu, o deputado dos Verdes/Aliança Livre Europeia responde subtilmente, afirmando que o grande problema com que o partido se depara são as eleições Legislativas e não as Europeias, cuja presença no acto eleitoral está dependente da decisão do Tribunal Constitucional.

A todos os que partilham da crença de que este partido subsiste na figura da sua pessoa, Rui Tavares declara que o seu papel ad-hoc para a constituição do LIVRE termina com a chegada do primeiro congresso, sendo que a partir dali será apenas um militante comum.

Aos que consideram a denominação LIVRE como uma afronta descabida ao funcionamento dos partidos já existentes, o ex-membro da tendência Manifesto sublinha que o nome do partido é Liberdade, Esquerda, Europa e Ecologia, de onde resulta a sigla LIVRE. Simultaneamente, demarca-se desta escolha, ressalvando que a opção foi fruto de uma derrota sua, já que preferia que o partido se chamasse “Progressistas”. Nunca relaciona as críticas com o teor do seu discurso, todavia a interligação acaba por ser evidente.

(Este texto continua, num segundo capítulo a publicar brevemente com uma análise crítica sobre o assunto)

 



publicado por João Moreira de Campos às 12:32 | link do post | comentar

2 comentários:
De IBB a 7 de Fevereiro de 2014 às 21:11
Rui Tavares nunca foi militante do Bloco!


De Dolores a 7 de Fevereiro de 2014 às 21:13
Pa! Esta miuda LN nada tem a fazer senão imitar o pai.


Comentar post

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012