Sábado, 10 de Outubro de 2015

- Quem teve mais votos foi a coligação PSD/CDS. É verdade, e isso garantiu-lhes a precedência na tentativa de constituir governo. Mas, obviamente, não lhes garante por si só o direito de formar governo. Tem existido uma enorme confusão entre aquela que é a prática e tradição política em Portugal e a reconhecida flexibilidade da Constituição. Ou seja, uma coisa é verificarmos que nunca existiu um partido ou coligação mais votado que não tivesse constituído governo, outra coisa é julgarmos que, por esse motivo, tal é inconstitucional. Por outro lado, muitos argumentam que, mesmo que seja possível, tal é ilegítimo. Ora o sistema eleitoral português é proporcional, o que significa desde logo, como lembrava Stuart Mill, que visa a prevalência da justiça eleitoral sobre a eficácia governativa e que esta deve ser buscada através de uma partilha de poder mais abrangente, que é como quem diz, através de coligações pós-eleitorais.

 

- Historicamente, o PS afirmou-se contra o PCP. É um facto histórico mas parece-me um fraco argumento para inviabilizar qualquer negociação, já que as circunstâncias eram a todos os níveis muitíssimo diferentes. É o mesmo tipo de argumento utilizado para criticar Durão Barroso por ter sido aos 20 anos do MRPP e mais tarde do PSD. Como se decidir o alinhamento partidário em 1975 fosse igual a decidir em 1985 e como se aquilo que pensamos aos 20 anos exigisse a coerência de uma vida.

 

- O PS perderá para sempre os eleitores de centro. Acenar com a radicalização do PS é prosseguir a campanha de medo em período pós-eleitoral. Mas alguém pode seriamente achar que, a existir qualquer tipo de acordo com os partidos à sua esquerda, o PS governaria de modo radical? Uma negociação implica cedências e o PS sozinho não seria igual ao PS acompanhado de PCP e BE mas daí a vislumbrar-se um governo do PS a implementar as medidas mais radicais daqueles partidos é simplesmente uma ilusão conveniente. Por outro lado, os grandes sábios que por estes dias se têm entretido a interpretar o que queriam os portugueses quando votaram acham mesmo que quem votou PS pesou mais o “factor europeu” do que o “factor alternativa”? Independentemente da resposta – até porque acho o exercício de interpretação esdrúxulo – o meu ponto é este: tanto num caso como noutro nada inviabiliza, per se, a moderação do PS.

 

- O PCP e o BE podem estar a fazer bluff. Não obstante a dúvida ser absolutamente legítima, ela não passa de uma dúvida. Para além disso, pode existir tanto do lado do PS como do PCP e BE já que é tão verdade que estes partidos podem estar a aproveitar para definir o campo de oposição dos próximos anos através do enfraquecimento do PS como é verdade que o PS possa estar a negociar à esquerda para ganhar poder negocial à direita. No entanto, parece-me muito mais prejudicial deixar de negociar com medo de um eventual bluff da outra parte do que sofrer as consequências da sua concretização. A primeira é uma derrota por falta de comparência, a segunda é uma derrota honrada. A diferença é que só a segunda permite a possibilidade de vitória.

 

the-key-to-the-fields-1936.jpg

'La clef des champs'. René Magritte (1936).

 



publicado por Pedro Silveira às 12:58 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012