Terça-feira, 1 de Abril de 2014

A 9 de Outubro de 2011, o Partido Socialista Francês organizou as suas primeiras eleições primárias, tendo em vista a eleição do candidato à Presidência da República. Militantes e simpatizantes acorreram massivamente às urnas, oferecendo a François Hollande e a Martine Aubry a hipótese de disputarem a segunda volta. Com 5,63% dos votos (aproximadamente 150 mil), Manuel Valls, nascido na Catalunha e conotado com a ala direita do partido, posicionou-se como o quinto candidato mais votado (apenas à frente do presidente do Partido Radical de Esquerda, Jean-Michel Baylet).

 

A 25 de Novembro de 2012, foi a vez do Partido Democrático Italiano, conjuntamente com o Partido Sinistra Ecologia e Libertà e com o Partido Socialista Italiano, adoptar o modelo de eleições primárias abertas a simpatizantes. Neste caso, o objectivo passava por eleger o candidato a Primeiro-Ministro, que disputaria o sufrágio nacional três meses depois. Pier Luigi Bersani venceu ambas as voltas que se sucederam, cabendo a Matteo Renzi, então sindaco de Florença, o lugar de segundo candidato mais votado.

 

Após as eleições Presidenciais Francesas de 2012, Manuel Valls foi nomeado ministro do Interior. Ao longo dos últimos dois anos, notabilizou-se pela intransigência assumida em matérias relacionadas com imigração, o que resultou no aparecimento de casos como o de Leonarda Dibrani. As 27 mil expulsões em 2013 e a criação de zonas de segurança especiais em bairros sensíveis levaram a que Manuel Valls aumentasse a sua popularidade em alguns sectores da Esquerda, mas sobretudo elevasse a sua notoriedade no domínio da Direita. Desta feita, a opção de François Hollande, ao escolher Manuel Valls como o substituto de Jean-Marc Ayrault acabou por não ser completamente surpreendente.

 

O percurso de Matteo Renzi desde a derrota no sufrágio interno, embora tenha sido distinto, acabou por ter o mesmo resultado que o de Manuel Valls. Dono de uma ambição desmedida, o ex-sindaco de Florença viria a ser eleito Secretário Nacional do Partido Democrático em Dezembro de 2013, num acto eleitoral novamente aberto a simpatizantes, onde participaram 2.805.775 votantes (Matteo Renzi recolheu 67,55% das preferências). Após tomar posse e com o intuito de “abrir uma nova fase, através de um novo executivo apoiado pela maioria existente”, Matteo Renzi forçou a demissão do seu correligionário Enrico Letta, até então Primeiro-Ministro Italiano, ocupando posteriormente o seu lugar. No seu programa eleitoral não sufragado pelos cidadãos, constavam propostas como a flexibilização dos despedimentos e da contratação, a redução de 10% nos salários pagos pelas grandes empresas, bem como a reforma da lei eleitoral, que procura retirar poder ao Senado.

 

Mais do que dois candidatos unidos pela participação (e pela consequente derrota) nas primeiras eleições primárias dos partidos de centro-esquerda dos seus Países, Matteo Renzi e Manuel Valls assemelham-se na admiração confessa pela Terceira Via. Se o agora Primeiro-Ministro Francês propôs uma alteração do nome do Partido Socialista, para poder defender sem reservas ideológicas o capitalismo e a competitividade empresarial, o actual Primeiro-Ministro Italiano começou o seu percurso na Democracia Cristã e, posteriormente, continuou-o no Partido Popular. Se Manuel Valls, social-liberal assumido, aprecia o legado de Tony Blair, Matteo Renzi é conhecido como o “Tony Blair Italiano”. Jovens, extremamente ambiciosos, com uma carreira política iniciada na administração local, ambos representam o expoente máximo da nova geração europeia de dirigentes de centro-esquerda.

 

Depois da eclosão da crise do subprime, cedo se percebeu que Francis Fukuyama errara ao anunciar o “fim da história”. No início da crise era expectável a emergência de movimentos alternativos, com capacidade para responder aos desequilíbrios provocados pelo liberalismo desenfreado e pelo capitalismo de casino, que tinham transportado as sociedades pós-modernas para esta situação. Passados 6 anos, parece claro que os Socialistas Europeus não conseguiram apresentar um projecto capaz de substituir, de forma profunda, a direcção austeritária que o Velho Continente tem assumido. Ora no SPD, ora no Partido Democrático, ora no Partido Socialista Francês, a Terceira Via volta a assumir um papel de destaque. A derrota da esquerda, caracterizada por Pedro Nuno Santos no congresso de Braga, não terminou em 2008 e parece prolongar-se indefinidamente. Manuel Valls e Matteo Renzi são apenas os rostos mais recentes da alternativa fracassada. Haverá retorno?



publicado por João Moreira de Campos às 22:53 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012