Sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Imagine o leitor que é uma pessoa famosa, com nome na praça. Imagine o leitor que isso se deve não só a um cargo de destaque que ocupou durante vários anos, mas sobretudo às suas intervenções públicas vigorosas, que lhe valeram a reputação de paladino dos fracos e de campeão dos descamisados. Imagine ainda o leitor que isso o torna numa personalidade com razoável cotação na bolsa de valores da política, ao ponto de haver um pequeno partido interessado a tê-lo como cabeça de lista nas eleições para o Parlamento Europeu.

 

A ideia provoca calafrios ao leitor, agita-o até ao fundo mais fundo da sua alma. Não passou o leitor os últimos anos a lançar impropérios contra a política, essa porca, e sobretudo contra os políticos, eles todos ladrões? Não lutou o leitor durante tanto tempo para proteger os seus desprotegidos concidadãos contra os abusos daqueles canalhas? A primeira reacção será então sentir-se ofendido pela proposta – como uma senhora de bem se ofenderia caso lhe propusessem um emprego num bordel. Mas o leitor acalma-se, reflecte longamente e decide aceitar. É que esta é uma boa oportunidade de fazer ouvir a sua virtuosa voz, de continuar a combater pelas causas em que acredita. Os políticos, todos eles, podem ser uns escroques, mas o leitor nunca o será, porque o leitor tem moral, o leitor tem consciência, o leitor tem escrúpulos! Por isso, decide ir corajosamente à luta.

 

O leitor vai então à luta. Durante uma longa e dura campanha, expõe ao país as suas ideias e atrai multidões – multidões descontentes, mas ainda com esperança, que vêem no leitor o seu campeão contra uma classe política que as maltrata. As expectativas, apesar de tudo, não são muito altas. O leitor não é, de modo nenhum, um político profissional (nem nunca desejaria sê-lo, salvo seja) e isso é uma desvantagem num jogo à partida tão viciado. Além disso, o pequeno partido que o apoia é mesmo pequeno e nunca teve bons resultados nas várias eleições a que concorreu. Mas eis que chega o dia da eleição e o leitor triunfa! Relativamente falando, claro está. Muitos outros partidos conseguem mais votos, mas as expectativas eram baixas e foram superadas em muito. O leitor consegue ser eleito. Mais surpreendente ainda: não vai sozinho para Bruxelas.

 

O leitor, naturalmente, exulta! Mas, como pessoa responsável que é, tem consciência plena dos seus deveres e obrigações, e compreende que aquilo que lhe foi confiado nas urnas é para ser respeitado com zelo. Cabe agora ao leitor representar uma parte importante do eleitorado junto da magna assembleia dos eleitos da Europa. A cabeça está repleta de ideias e projectos, todos eles alimentados pelos mais altos ideais. Muito vai ser feito nos cinco anos do seu mandato!

 

O leitor chega portanto a Bruxelas cheio de esperanças e sonhos. Mas cedo descobre quão tolo e iludido foi. Descobre-o logo ao fim de um mês, quando, como pessoa responsável que é, de boas contas, vai verificar o seu saldo bancário e descobre, para seu horror uma avultada quantia. O coração pára de bater um instante. O leitor sente um abismo a abrir-se debaixo dos seus pés. A obscena quantia de dinheiro corresponde à remuneração que lhe  é atribuída enquanto membro da magna assembleia. O leitor sente vergonha. Pensa primeiro que tudo nos trabalhadores do seu país, tantos deles a sobreviverem a custo com um salário mínimo de miséria. Aparecem-lhe diante dos olhos os milhares de rostos de todos os eleitores desfavorecidos que lhe confiaram o seu voto e que depositaram no leitor a sua confiança e a sua esperança. A noite que se segue é medonha. O leitor dá voltas e voltas na cama, ensopado de suores frios. Os escrúpulos não o deixam dormir. É inaceitável ter de receber uma quantia tão grande como salário. O leitor toma uma decisão.

 

Poderia o leitor talvez escolher abdicar do salário ou doá-lo por inteiro e continuar a exercer o seu mandato pro bono. Mas o leitor não é rico e precisa de se sustentar. Além disso, planeia trabalhar no duro na defesa dos interesses do seu povo (ao contrário dos políticos, esses bandidos), e é justo que seja remunerado por isso. Poderia então abdicar de parte do seu salário, e dedicar os cinco anos do seu mandato a lutar contra os altíssimos salários auferidos pelos membros da magna assembleia, apresentando moções, projectos de lei, fazendo perguntas, enfim, o que fosse preciso. Mas a descoberta da abjecta quantia na conta bancária abalou de tal modo a confiança e a determinação do leitor que já nem tem forças para isso. Além de tudo mais, o leitor teve uma epifania: Bruxelas é uma verdadeira Sodoma e só resta ao virtuosíssimo leitor seguir o exemplo de Lot e abandonar a cidade à sua perdição.

 

O leitor assim faz, com uma maldição nos lábios – mas lentamente. Tal como a comadre que olha para o relógio e diz que tem de mesmo de se ir embora, mas que vai ficando a tagarelar durante uma hora ou duas mais, assim o leitor anuncia que vai partir, lança impropérios contra o antro de perdição para o qual foi enviado, e deixa-se ficar. Entra-se depressa mas sai-se devagarinho. Durante este tempo, claro está, continua a receber a obscena quantia, sem que nisso haja qualquer contradição. É moralmente condenável que os representantes da nação recebam tanto – mas ninguém pode esperar que o leitor renuncie à remuneração. Já lhe basta o sacrifício que faz todos os dias ao ter de conviver com políticos, essas bestas, no seu habitat natural, enquanto não abandona o lugar infecto.

 

Fosse o leitor um político, que é como quem diz um safardanas, e poderia haver quem condenasse o facto de o leitor, a quem os eleitores entregaram um mandato, tivesse decidido abandoná-lo ao fim de tão pouco tempo, e depois de não ter feito nada senão amaldiçoar o cargo para que foi eleito. Poderia ainda haver quem questionasse as verdadeiras motivações por detrás desta decisão, quem estranhasse que a declaração de renúncia tenha sido acompanhada pelo anúncio de planos para concorrer a legislativas e mesmo a presidenciais. Haveria, enfim, quem se atrevesse a pensar que tudo não tenha passado de uma enorme fraude e que a campanha para as europeias não tenha sido senão um trampolim para chegar a poleiros mais altos. Claro que nada disto faz sentido: afinal de contas, o leitor não é um político, que é como quem diz um patife, mas sim uma pessoa de bem, um modelo de virtudes. O que o levou a renunciar a este cargo não foi senão escrúpulos, e o que o leva agora a querer concorrer a outras eleições, fundando, para esse efeito, um novo partido, não são senão um louvável sentido de dever e o desejo de se sacrificar pelo bem público.

O leitor, afinal de contas, não é um político, que é como quem diz um vigarista, e portanto pode usufruir dos privilégios da virtude. É que aos virtuosos, ao contrário dos biltres, não há nada que não seja permitido.

 



publicado por Fábio Serranito às 22:46 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012