Quarta-feira, 7 de Outubro de 2015

Com várias variantes, esta frase tem sido largamente proferida nos últimos dias: "O povo português escolheu não dar maioria absoluta a ninguém, o que obrigará os partidos a buscar consensos que possibilitem a estabilidade e a prossecução de reformas estruturais essenciais". Ora bem:

 

1. O povo português não é uma entidade orgânica, não é um ser consciente que se expressa através de votos. Bem sei que por trás desta questão reside a eterna e dificílima questão de conversão da soberania popular em representatividade e eficácia governativas mas convém não responder a um problema difícil com abstracções patetas.

2. O consenso, per se, é profundamente esvaziador da Democracia (e até da Política). Ao contrário da negociação, que permite a racionalização do dissenso. Apelar ao consenso político é, em regra, chamar a atenção para a irrelevância do debate, como se tomar decisões que afectam uma comunidade política fosse um mero expediente empresarial.

3. Qualquer negociação que se quer eficaz implica dar e receber e, certamente, não se busca nem alcança através da comunicação social. Não se anuncia a vontade de uma negociação séria, caso exista afirma-se como uma realidade. É daquelas coisas que antes de o ser já o era.

4. A estabilidade é um meio ou fim? Se for um meio, ainda que importante, não é sacrossanta. Mas, nesse caso, serve para alcançar o quê? Se os actores políticos respondessem com seriedade intelectual a esta pergunta talvez percebessem em que tipo de Democracia pretendem governar. Fazerem a pergunta já não era mau.

5. A felicidade é muito importante. Ninguém discorda da frase anterior porque cada um projecta nela o seu sentido de felicidade. As reformas estruturais necessárias são exactamente a mesma coisa – tudo e coisa nenhuma. Não admira que estejam sempre inacabadas! E, por isso, benzam-se, senhores… é à Política que cabe disputar o seu sentido. Esta disputa implica dissenso e, eventualmente, negociação mas nunca verdades absolutas.

800px-1914_Redon_Zyklop_anagoria.jpg

'The Cyclops'. Odilon Redon (1914).

 



publicado por Pedro Silveira às 15:43 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012