Domingo, 8 de Junho de 2014

Vista à distância, a situação parece fazer pouco sentido. Um partido vence as eleições, os seus mais directos adversários sofrem uma derrota histórica – e é o líder do partido vencedor que vê a sua liderança contestada e que é obrigado a enfrentar uma rebelião. Os seus leais partidários do líder apontam, e bem, o absurdo. Em política, o normal é que as vitórias reforcem as lideranças, e que sejam as derrotas a derrubar os líderes. Como então fazer sentido deste aparente absurdo?

 

A política não é uma competição em que o vencedor leve tudo. Vencer uma eleição não é como ganhar um jogo de futebol. Num jogo de futebol uma vitória é uma vitória. É certo que uma vitória por um golo é menos impressionante que uma vitória por vários, mas o resultado final é o mesmo. Mas a política não é um jogo. O jogo esgota-se no próprio acto de jogar. Depois de um jogo, a vida continua. É certo que a vida certamente incluirá mais jogos, mas a vida é também muito mais do que uma sucessão de jogos. A política pode não ter a amplitude da vida, mas é certamente mais do que um jogo, em que vencer é um fim em si mesmo. Vencer eleições não é um fim em si mesmo. É antes aquilo que abre a oportunidade para exercer o poder, para governar, para deixar marca, para fazer diferente.

 

Nem todas as vitórias são iguais. Valem por aquilo que mostram e por aquilo que podemos fazer com elas.

 

É assim que se compreende que a vitória do PS nas últimas eleições para o Parlamento Europeu tenha desiludido e sido a causa próxima de uma crise interna. Num contexto nacional de enorme insatisfação com o Governo e com os partidos que o suportam, no meio de uma crise económica e social sem paralelos na história recente do país, seria de esperar que o maior partido da oposição tivesse um resultado impressionante. Isso seria o normal, se vivêssemos num tempo normal. Mas nesta época estranha em que vivemos, não basta esperar que quem tem agora o poder seja devorado pelas circunstâncias para que o poder caia no colo da oposição. Nestes tempos invulgares, o rotativismo entre os dois maiores partidos já não é garantido.

 

E é isso que o resultado das eleições para o Parlamento Europeu indiciam: um enorme descontentamento com os partidos que suportam o Governo, sim, mas também uma grande desilusão e alguma falta de confiança no maior partido da oposição. Este parece ser um sentimento transversal ao eleitorado português, ao ponto de constituir uma crise de confiança no próprio regime político. 

 

É isto que os resultados indiciam. Mas que é que se pode fazer com estes resultados? Numas eleições como estas, muito pouco. A arquitectura abstrusa e pouco democrática da União Europeia, a fraqueza do Parlamento Europeu, e o pouco peso político de Portugal na Europa – tudo isto conspira para que as eleições europeias, em geral, pareçam ter pouca importância. Mas a verdade é que, no actual contexto político português, estas eleições valem também como um prelúdio às eleições legislativas. Foram, por assim dizer, um teste a todos os intervenientes políticos. Importará, portanto, reflectir sobre que possibilidades seriam abertas por uma eventual vitória do PS nas próximas legislativas, caso estes resultados fossem então replicados.

 

O que surge claro desta reflexão é de fazer gelar o sangue. Uma vitória curta do PS nas legislativas levaria a uma quase certa coligação com o PSD – um cenário a que foi feita alusão durante a última campanha eleitoral. Uma vitória curta levaria a algo que dói até pensar: à manutenção de pelo menos parte do actual PSD em funções governativas. Levaria ainda a algo talvez ainda mais assustador: à continuação, pelo menos em parte, das actuais políticas. Este é um cenário que qualquer pessoa que ame Portugal e que tenha consciência de quão errado, quão desastroso e quão destrutivo tem sido o rumo adoptado nos últimos anos deve a todo o custo rejeitar e combater.

 

Fazerem-se eleições e mudar de Governo para que se continue na mesma poderá ser o golpe que destruirá por fim o actual sistema político e que levará ao colapso do PS enquanto partido que pode aspirar a governar Portugal. O eleitorado tradicional do PS – e neste grupo incluo não só os militantes e simpatizantes indefectíveis, mas sobretudo aqueles eleitores que, como eu, tendem a favorecer políticas de centro-esquerda – dificilmente perdoará que este partido se torne cúmplice e aplique as mesmas políticas daqueles que têm vindo a arruinar o país nos últimos anos. Uma vitória assim arrisca-se a ser a derrota final do PS e daquilo que ele tem a obrigação de representar.

 

É por isso que o absurdo de contestar um líder que acabou de vencer uma eleição faz sentido. Aquilo que se exige e que um grande número de portugueses espera do PS é que seja uma verdadeira alternativa aos partidos que suportam o actual Governo; uma alternativa não por ser o seguinte numa sucessão rotativa no poder, mas uma verdadeira alternativa: no modo de compreender a situação actual do país, no projecto que tem para Portugal, até mesmo no modo de lidar com os portugueses e de fazer política. É urgente criar essa alternativa. Os resultados das eleições europeias mostraram que os portugueses não estão convencidos (e com razão, na minha opinião) que a actual liderança do PS tenha criado essa alternativa, e as expectativas de que seja capaz de a criar em tempo útil são poucas. É por isso que faz todo o sentido que a actual liderança seja contestada. E torna-se cada vez mais claro que só mudando a liderança poderá o PS aspirar a criar a alternativa política que sempre deveria ter sido.



publicado por Fábio Serranito às 10:26 | link do post | comentar

Catarina Castanheira

Fábio Serranito

Frederico Aleixo

Frederico Bessa Cardoso

Gabriel Carvalho

Gonçalo Clemente Silva

João Moreira de Campos

Pedro Silveira

Rui Moreira

posts recentes

Entre 'o tudo e o nada' n...

Le Portugal a vol d'oisea...

Recentrar (e simplificar)...

Ser ou não ser legítimo, ...

O PS não deve aliar-se à ...

(Pelo menos) cinco (irrit...

Neon-liberais de pacotilh...

Piketty dá-nos em que pen...

Ideias de certa forma sub...

Ideias de certa forma sub...

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012